O nome pode parecer sofisticado, mas o problema é pra lá de comum. Ainda assim, quando a boca parece mais ressecada e começa a produzir menos saliva do que o normal, é bom ligar o sinal de alerta. A xerostomia geralmente é uma reação do organismo à alguma situação interna e, assim como todos os outros sinais emitidos pelo corpo, merece atenção. O dentista Fernando Luiz Tavares Vieira conta ao Sorrisologia quais são as possíveis explicações para o problema.

Uso de medicamentos pode ter relação com o ressecamento

Você iniciou alguma medicação recentemente e pouco tempo depois notou a boca mais seca? Sim, isso provavelmente tem alguma relação. Fernando explica que medicamentos tranquilizantes e outras drogas costumam desencadear a diminuição do fluxo salivar. A radioterapia, usada para tratar o câncer, é um exemplo de tratamento que estimula esse efeito no organismo. Outra causa da xerostomia pode ser a presença de alguma doença de natureza sistêmica, como a displasia ectodérmica, que é um distúrbio genético que se manifesta nos cabelos, unhas e dentes.

Descobrindo o melhor tratamento para a xerostomia

No casos onde o ressecamento tem ligação direta com o uso de medicamentos, resolver o caso nem sempre é tão simples. “Em algumas situações, suspender o uso do remédio seria o bastante para o retorno do fluxo salivar à normalidade. Contudo, quando a xerostomia é sequela de radioterapias de lesões da cabeça e pescoço, ou de doenças congênitas, é preciso adotar outras medidas”. Segundo o dentista, o uso de salivas artificiais vendidas comercialmente e alguns cuidados como a ingestão frequente de água podem ajudar a manter a boca umedecida e lubrificada.