Um dos problemas bucais mais recorrentes é o tártaro, também chamado de cálculo dental e que se inicia com a instalação de pequenas placas em nossos dentes. Você provavelmente já ouviu falar sobre essa patologia, ou até mesmo já teve tártaro em algum momento da vida, mas será que você realmente está ciente do que esse quadro pode significar? O que pode acontecer se você não tratá-lo corretamente? Quais são os tratamentos indicados? Como é possível se prevenir? Confira tudo que você precisa saber sobre esse problema, com o auxílio de vários especialistas no assunto!

1. O que é o tártaro?

O tártaro é formado através do acúmulo de placa bacteriana na superfície dental que, quando não é removido totalmente, acaba ficando preso no local por muito tempo e endurece, formando uma “crosta” de cor amarelada ou esbranquiçada. "O tártaro nada mais é que o acúmulo de bactérias presas aos dentes, vivendo e se multiplicando. E isso causa uma série de problemas de saúde. Não só para os dentes, mas também para o corpo", explica o dentista Filipe Furquim.

Esse quadro normalmente se desenvolve devido a falta de uma boa higienização oral, e por se tratar de uma placa endurecida, o paciente sozinho não é capaz de resolver o problema. A escovação deixa de ser eficiente, e o mais recomendado é que se procure um especialista para realizar a remoção do tártaro o quanto antes, pois outras patologias podem acabar se formando a partir dele.

2. Entenda a diferença entre tártaro supra e subgengival

Existem dois tipos diferentes de tártaro: o supragengival e o subgengival. Como o próprio nome já diz, o que distingue um do outro é a região em que ele se manifesta, de forma que o primeiro é caracterizado por se formar na parte aparente do dente, acima da borda da gengiva. Ele pode ser identificado pelo próprio paciente na hora de dar aquela conferida no espelho se os seus dentes estão com a saúde em dia, já que ficam em um local visível e apresentam a coloração amarela ou branca. Por outro lado, o tártaro subgengival não consegue ser visto a olho nu, já que este fica aderido ao dente na porção abaixo da gengiva. Além disso, sua coloração também muda, segundo o cirurgião-dentista André Luís da Silva, e este tipo de tártaro apresenta uma cor mais escura e esverdeada. “A remoção também é distinta, já que a do tártaro subgengival requer uma técnica mais apurada”, conta.

3. O tártaro pode se manifestar em qualquer fase da vida?

Como esse problema bucal acontece principalmente devido a uma higiene bucal ausente ou inadequada, o tártaro pode aparecer a qualquer momento e em qualquer idade, conforme André explica: “Basta a presença do dente e mau hábito de higiene bucal, juntamente com a composição da saliva para ele se instalar”. Entretanto, outros fatores também podem acabar influenciando na sua formação, como alterações do fluxo salivar ou o uso de medicamentos específicos. Além disso, o especialista também destaca que é mais comum que o tártaro subgengival apareça mais em pacientes adultos e que já sofreram alterações na gengiva, enquanto o supragengival de fato pode acontecer em qualquer idade.

4. Por que a remoção do tártaro é tão importante?

O menor indício de tártaro na superfície do dente já é algo que precisa de atenção, mas a partir do momento em que esse cálculo começa a ocupar boa parte do elemento dental, a situação começa a ficar mais crítica e a remoção deve ser feita o quanto antes. A presença do tártaro pode trazer diversas consequências para o seu sorriso, como a gengivite, a periodontite e até mesmo a formação de cáries. Isso acontece porque, se o tártaro não for removido, as bactérias ali presente vão continuar se alimentando dos micro-organismos existentes na cavidade oral e um quadro aparentemente inofensivo pode acabar tomando grandes proporções, em alguns casos levando a perda dentária. Se ainda assim você não ficou convencido dos males que isso pode ocasionar, saiba mais sobre os principais problemas que o tártaro pode causar:

4.1 Gengivite

Do tártaro para a gengivite é um pulo! Dependendo da quantidade de placa acumulada no seu dente, ela pode facilmente alcançar a gengiva e causar uma inflamação na região, resultando na gengivite. De acordo com o especialista em implantodontia Leonardo Costa, a gengiva fica mais sensível, podendo ocorrer sangramento espontâneo ou estimulado pela escovação, uso do fio dental ou sondagem da área. Entretanto, ele destaca que se a placa bacteriana ainda não estiver totalmente calcificada, é possível resolver o problema com uma boa higienização dos dentes. Agora se a placa já estiver endurecida, situação típica do tártaro, o paciente precisa entrar em contato com um especialista para que ele tome as medidas necessárias e o problema seja solucionado com uma profilaxia ou até mesmo a raspagem do cálculo.

4.2 Periodontite

As doenças periodontais são a evolução da gengivite, sendo um problema ainda mais grave e que se não for tratado, pode levar a perda do elemento dental. Isso acontece principalmente em casos em que a gengivite não recebe o devido tratamento ou quando a higiene oral é feita de maneira muito ineficiente, abrindo espaço para que esse tipo de problema se manifeste. “"Os tecidos ficam menos resistentes, ocorre a perda da inserção gengival e do osso alveolar, podendo ter mobilidade dental, recessão gengival e supuração", conta o especialista Leonardo Costa. Já deu para perceber que a dimensão do problema, né? É muito importante não deixar que um simples tártaro evolua aos poucos, já que quando chega no estágio da periodontite apenas um profissional bastante capacitado pode resolver a situação.

4.3 Mau hálito

O mau hálito pode ser resultado de inúmeros fatores, e às vezes até mesmo a alimentação pode ser um motivo para que ele apareça, mas você sabia que em alguns casos a halitose também é sinônimo de problema? A partir do momento em que o tártaro facilita o surgimento de doenças gengivais como a periodontite, ele também abre portas para que esse cheirinho desagradável se propague na sua boca. “"O acúmulo de placa decorrentes de uma higiene oral insatisfatória e doenças gengivais podem causar a halitose", explica o dentista Leonardo. Então se o mau hálito estiver cada vez mais presente na sua rotina, talvez seja a hora de prestar mais atenção à sua saúde bucal e procurar a ajuda de um profissional.

5. Os tratamentos para cada tipo de tártaro

Por se tratar de uma placa calcificada e aderida ao dente, o tártaro só pode ser removido por um dentista qualificado, já que a higienização tradicional não é capaz de limpar a região e é necessário o auxílio de algumas ferramentas odontológicas para a raspagem. “Ele só poderá ser removido adequadamente através de uma raspagem realizada pelo cirurgião dentista”, explica o profissional Filipe. Embora pareça ser um procedimento simples, dependendo da quantidade de placa acumulada, às vezes uma sessão não é suficiente e o paciente precisa marcar uma consulta de retorno para que o tratamento seja finalizado.

Quanto à quem usa aparelho ortodôntico, o dentista Filipe Furquim destaca que o processo de remoção é bem semelhante, mas é exigido um pouco mais de esforço por parte do paciente no que diz respeito à higiene local. A manutenção feita em casa é fundamental para evitar a formação de tártaro na superfície dental e existem escovas específicas para quem usa aparelho, facilitando no processo de limpeza.

Além disso, vale destacar que ainda há uma pequena diferença entre a remoção do tártaro supragengival para o subgengival, como esclarece o especialista André Luís: “O tártaro supragengival é facilmente retirado com curetas e/ou ultrassom, já o tártaro subgengival muitas vezes, requer uma técnica mais apurada para ser raspado abaixo da gengiva”.

6. Prevenção é o melhor remédio, cuide-se!

Os hábitos do dia a dia influenciam mais na nossa saúde bucal do que você pode imaginar, sabia? E como a prevenção é sempre a melhor solução, o Sorrisologia separou uma lista com ótimas dicas para você ficar bem longe desse inimigo amarelado!

1) Faça uma boa higiene bucal todos os dias, principalmente após as refeições e antes de dormir. Com um simples hábito e que não demanda muito tempo, você consegue prevenir o tártaro e várias outras doenças bucais, como a cárie.
2) Não esqueça de usar o fio dental. Por mais que muita gente ignore essa etapa, ela é fundamental no processo de limpeza dos dentes, pois ele é capaz de alcançar espaços que a escova não chega. Isso ajuda a evitar a formação e o endurecimento da placa bacteriana entre os dentes.
3) O enxaguante bucal também é um produto importantíssimo para a sua higiene bucal! Além de deixar o hálito bem refrescante, ele também é capaz de proteger a sua boca de vários micro-organismos.
4) Uma dieta equilibrada é tudo! Prefira alimentos mais saudáveis para que o organismo tenha um bom funcionamento e se mantenha longe de problemas. Também vale destacar que o ideal é evitar alimentos ricos em açúcar ou carboidrato, já que esse tipo de comida favorece e muito a produção de placa bacteriana na região bucal.
5) Não deixe de visitar seu dentista regularmente! O intervalo deve variar de 6 meses a um ano, mas é imprescindível que o paciente tenha o acompanhamento de um profissional, pois é ele quem vai cuidar da saúde dos seus dentes e fazer uma boa limpeza, mantendo o seu sorriso bem longe do tártaro.