Na gestação, todos os cuidados com o corpo, saúde e alimentação se tornam redobrados. Afinal, não é mais apenas a saúde da mulher que está em jogo, mas também a do bebê. A atenção com a saúde bucal nessa fase deve ser especial, e o acompanhamento de um dentista é muito importante. A prevenção é necessária para que não surjam possíveis problemas que levem à necessidade de intervenção cirúrgica, já que o uso de anestesia durante um procedimento odontológico pode trazer riscos para a gravidez. A cirurgiã-dentista Bárbara Emilie Pavan da Cunha explica quais são esses riscos e qual a alternativa nessa situação.

Certas doenças bucais se tornam mais propensas durante a gravidez

Durante a gravidez, muita coisa muda no corpo da mulher, e a saúde bucal está incluída nisso. Certas doenças bucais se tornam mais favoráveis durante esse momento, por isso é importante ter um cuidado extra também com a saúde dessa região. Os problemas na gengiva estão entre os mais comuns durante a gravidez. “A gengivite pode ocorrer devido à alteração de hormônio que aumenta o fluxo sanguíneo, facilitando o sangramento gengival durante a escovação”, explica a profissional.

Além disso, o aumento da salivação também pode ocorrer durante o primeiro trimestre por conta de alterações hormonais, mas isso vai diminuindo com o passar dos meses. “Em caso de vômitos recorrentes, pode ocorrer a erosão de esmalte dentário”, acrescenta ela. Por isso é essencial fazer consultas de rotina com o dentista durante a gravidez, para prevenir contra esses quadros e qualquer outro problema.

Quais são as restrições de procedimentos que grávidas não podem realizar?

“As grávidas podem realizar qualquer procedimento dentário de urgência, desde que realizado com cautela e indicações de anestésicos corretos”, afirma ela. No entanto, é sempre bom lembrar que o melhor caminho é a prevenção. Com um bom acompanhamento profissional, bons hábitos de higiene bucal e alimentação equilibrada, a maioria dos problemas poderá ser evitada. “Não são indicados nesse momento procedimentos invasivos sem necessidade ou estéticos”, alerta ela.

O uso de anestesias pode apresentar riscos para a gravidez

Os procedimentos invasivos não são indicados nesse momento porque o uso de anestésicos pode trazer alguns riscos para a gestação. “Mesmo ainda não comprovado, acredita-se que alguns vasoconstritores presentes em anestésicos podem levar a uma contração uterina e alguns podem até ter uma leve metabolização no fígado do feto”, esclarece a profissional.

Quais são as alternativas para esses casos?

Caso um procedimento invasivo de urgência seja necessário durante uma gravidez, algumas alternativas podem ser utilizadas. “Buscar realizar procedimentos menos invasivos sem o uso de anestésicos e, se a anestesia for essencial, utilizar anestésicos sem vasoconstritor”, conclui Bárbara. O ideal é investir em uma boa prevenção, preservando a saúde bucal e evitando a necessidade de complicações extras.