A retração gengival é um problema que normalmente traz bastante desconforto para os pacientes, principalmente quando já está em um estado mais avançado e começa a dar os primeiros sinais de que algo não está certo com o seu sorriso. O deslocamento da margem da gengiva em direção ao ápice da raiz do dente deixa a região mais exposta, e, portanto, mais vulnerável a outros problemas, como a sensibilidade dentária, por exemplo. Para entender um pouco mais sobre esse quadro, o Sorrisologia preparou uma matéria com o auxílio de vários especialistas no assunto que te contam tudo que você precisa saber sobre retração gengival.

1. O que é retração gengival?

Também conhecida como recessão gengival, a retração consiste na diminuição do tamanho da gengiva e o aumento dos dentes, que fica mais exposto conforme acontece o deslocamento da margem gengival em direção à sua raiz. “Na prática, significa dizer que houve uma mudança de posição da gengiva e, consequentemente, maior exposição da superfície radicular - ou seja, a parte próxima à raiz”, explica o periodontista Leonardo Costa. Ou seja, o que acontece é que a retração faz com que a parte do dente que normalmente fica escondida pela mucosa bucal, passe a fazer parte do sorriso, dando a sensação de que o dente aumentou.

1.1 O que causa a retração gengival?

A retração ou recessão gengival pode acontecer por inúmeros motivos, mas o principal deles é uma escovação mal feita - e, nesse caso, o paciente tem sua parcela de culpa. De acordo com o dentista Leonardo Costa, tanto a falta de higiene bucal quanto a escovação praticada de forma incorreta podem ser responsáveis por isso. Movimentos muito bruscos na hora de limpar os dentes, ou até mesmo a aplicação de uma força exagerada, podem gerar traumas na região da gengiva.
Além disso, ignorar bons hábitos de higiene acarreta no acúmulo de placa bacteriana na superfície dos dentes, o que pode causar inflamações gengivais, que consequentemente pode provocar a retração. Entretanto, outras causas também estar associadas a esse quadro, conforme o odontologista Max Ferreira indica: "Gengivite, movimentos ortodônticos, dentes apinhados, restaurações desadaptadas na região próxima à gengiva, além de trauma oclusal são algumas das causas pela recessão gengival".

1.2 Consequências da retração gengival

Muito além da estética, a retração também pode provocar outros problemas bucais, como a sensibilidade dentária e a cárie radicular, de acordo com o especialista Leonardo. Esse é um tipo de cárie bem específico, já que a superfície da raiz do dente não possui o esmalte que protege a dentina, facilitando o processo de deterioração que a cárie causa. A evolução do problema pode levar até mesmo a perda do dente, portanto é importante estar sempre atento a qualquer sinal de anomalia no seu sorriso.

2. Os tratamentos para retração gengival

Após o diagnóstico da retração gengival - que deve ser feito por um especialista -, só resta uma coisa a se fazer: buscar uma solução para o problema. O tratamento vai depender do tamanho e da gravidade do caso, podendo variar desde medidas simples, como a profilaxia e maiores cuidados com a higiene bucal, até procedimentos mais complexos, como uma cirurgia. Por isso, se você notar algo de diferente no seu sorriso, o ideal é que você procure um especialista para auxiliá-lo quanto ao diagnóstico e tratamento mais apropriado.

2.1 Profilaxia dentária e escovação correta

Se a retração ainda estiver em um estágio inicial, o paciente pode contornar o problema de duas formas: através da profilaxia com um especialista, ou melhorando a prática da escovação em casa. “Uma escovação com muita força pode causar um desgaste do dente e também a retração”, alerta o especialista em periodontia André Alvim. Por isso, prestar atenção à pressão que você faz com a escova é muito importante, pois se a retração ainda estiver no início, esse tipo de atitude pode evitar que o quadro se agrave. Em caso de dúvidas ou busca por melhores orientações, é fundamental conversar com o seu dentista.

2.2 Raspagem subgengival

Se a higiene bucal for deficiente, as chances de placas bacterianas e tártaro se formarem na região são bem altas. Como esse problema pode estar relacionado ao desenvolvimento da retração gengival, em alguns casos a raspagem subgengival pode ser a solução mais indicada. O procedimento consiste na remoção do tártaro ou cálculos aderidos à superfície dentária através de instrumentos manuais, como as curetas e o raspadores, ou do ultrassom odontológico, segundo o especialista Cléber Ferreira Júnior.

2.3 Cirurgia plástica

Casos mais graves de retração gengival precisam de medidas mais drásticas, como uma cirurgia plástica. Somente através desse procedimento será possível cobrir novamente as raízes dos dentes que foram expostos pela retração. O reposicionamento é uma opção, assim como o uso de enxertos gengivais, que consiste na remoção de um fragmento do tecido do palato e o transplante para a região com desnudamento radicular, segundo a cirurgiã-dentista Rhianna Barreto. “A correção se dá pelo recobrimento radicular e aumento de tecido queratinizado na região, melhorando a característica estética local e a sensibilidade”, conta.

3. Como prevenir que a retração aconteça?

Com alguns hábitos do dia a dia é totalmente possível prevenir que a retração gengival se instale no seu sorriso, já que uma das principais causas para a doença é a forma incorreta de se escovar os dentes. Por isso que uma ajudinha de um profissional qualificado nessas horas é fundamental! “Só o dentista pode orientar sobre a forma correta de escovação e tipo de escova ideal. Além disso, caso necessário, ele realizará os procedimentos para eliminação de fatores retentivos do biofilme (placa), evitando que o paciente tenha inflamação gengival”, conta o dentista Leonardo. Confira o que pode ser feito para prevenir a retração a seguir:

3.1 Verifique se você escova os dentes corretamente

Escovar os dentes com muita força pode ser extremamente negativo para a sua saúde bucal e associar força à uma boa higiene é um pensamento totalmente equivocado. Para limpar os dentes, o ideal é realizar o processo com jeitinho todos os dias após as principais refeições. As escovas de cerdas macias ou extra macias são a melhor opção para te acompanhar nesse momento, já que as de cerdas muito duras também podem causar traumas na região. "Ter uma rotina de limpeza ajuda a reduzir a quantidade de placa bacteriana próxima à gengiva e previne a gengivite, que é uma das principais causas da retração", conta Leonardo.

3.2 Não deixe de usar o fio dental

Esse é um passo fundamental na hora de cuidar dos seus dentes, portanto é uma etapa que não deve ser pulada em hipótese nenhuma. O fio dental é um ótimo auxiliar para garantir uma higiene ainda mais eficiente, já que ele alcança locais em que a escova não consegue chegar. "A utilização do fio dental é imprescindível para evitar a gengivite e outras inflamações na região, principalmente nos espaços interdentais", conta o especialista Max Ferreira. Dessa forma, a retração causada por doenças periodontais é prevenida.

3.3 Alimentação saudável pode ajudar

Os hábitos alimentares influenciam em vários aspectos da nossa vida, e a saúde bucal é um deles. Com uma dieta equilibrada, é possível até mesmo reduzir as chances de retração gengival, já que nutrientes ricos em fibra ajudam a limpar a superfície dos dentes, diminuindo o acúmulo de placa bacteriana no local - mas isso não quer dizer que você não deva escovar os dentes após esse tipo de refeição, hein? Além disso, de acordo com o dentista Max, o consumo de alimentos que contenham vitamina C também é muito importante, pois eles reforçam o tecido gengival.

3.4 Elimine alguns hábitos da sua rotina

Se por um lado uma boa alimentação traz vários benefícios para o organismo, por outro, alguns hábitos podem ser bastante prejudiciais. O tabagismo e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, por exemplo, são atitudes que podem levar a retração gengival, e, portanto, devem ser evitadas. "Tanto o tabaco como o álcool agride o tecido gengival, facilitando a inflamação causada pelo maior acúmulo de placa bacteriana na linha da gengiva", afirma o profissional Max Ferreira.

4. Dúvidas sobre a retração gengival

Nem tudo que falam sobre retração gengival é verdade, e em tempos de fake news é fundamental saber o que é mito ou não sobre a nossa saúde. Por isso, o dentista Max Ferreira ajudou a esclarecer algumas das dúvidas mais comuns que os pacientes referetes a essa condição.

4.1 A retração gengival é irreversível?

De acordo com o especialista, a retração gengival é um quadro irreversível, e, uma vez que ela se inicia, o mais recomendado é que o paciente busque ajuda profissional para evitar a sua progressão. Dependendo da grau de gravidade do problema, o especialista pode indicar tratamentos mais ou menos invasivos que vão ajudar a resolver a questão estética.

4.2 Piercings na boca podem piorar o problema?

Por mais você ache o piercing charmoso, ele vem acompanhado de vários riscos à saúde bucal do paciente, e podem sim levar a uma piora da retração gengival. O dentista Max explica como isso é possível: "O atrito do metal com a gengiva causa irritação e inflamação do tecido".

4.3 A retração gengival pode levar a perda dentária?

A retração gengival em si não é um problema que possa provocar a perda de um dente. Entretanto, outras doenças podem se instalar na cavidade bucal a partir desse quadro e afetar a região gengival, como a periodontite. Consequentemente, essa doença pode acabar ocasionando a perda dentária.