Por volta da maioridade é quando os dentes sisos dão os primeiros sinais. Esse é o momento onde pessoas próximas começam a te alertar sobre a cirurgia para a retirada desses dentes e o quão inchado ficará seu rosto durante a cicatrização. Parece um filme de terror? Fique tranquilo, primeiro porque nem todas as pessoas passam pelo pós-cirúrgico da mesma forma, assim como o tempo de recuperação de uma cirurgia não é o mesmo, visto que cada corpo reage de uma forma, podendo cicatrizar -ou não- rapidamente. Segundo, com alguns cuidados simples, é possível passar por esse momento tranquilamente. O Sorrisologia conversou com a cirurgiã-dentista Rhianna Barreto, e ela esclareceu um pouco mais sobre essa cicatrização. Confira!

O pós-operatório da extração do siso

Primeiro, é necessário entender que, em geral, todas as exodontias (extrações) precisam de cuidados. Segundo Rhianna, o aparecimento das sequelas mais ou menos severas no pós-operatório é diretamente ligada à dificuldade na intervenção e ao tempo da cirurgia. A extração dos sisos, por ser considerado um procedimento mais complexo, podem ter alguns riscos, como cita Rhianna: “Edemas, hematomas, hemorragias, trismo (dificuldade de abrir a boca), parestesia (perda da sensibilidade local), dor, infecção, alveolite e fratura de mandíbula são alguns dos problemas que podem ocorrer”.

Os principais cuidados durante o pós-cirúrgico de uma extração de dente

Para Rhianna, é prudente conceder as orientações pós-operatórias por escrito, mas também de forma compreensível, sugerindo até mesmo a modificação de termos utilizados rotineiramente por cirurgiões, por expressões mais comuns aos pacientes. “Deve-se sempre explicar ao paciente e aos seus familiares a importância do período pós-operatório, ressaltando as vantagens do seguimento correto das orientações para o êxito da cirurgia”, diz Rhianna ao exemplificar: “Evite exposição solar e alimentos quentes e duros até a remoção dos pontos. Além disso, a alimentação deve ser líquida e fria durante 48h após a extração e deve-se dormir com a cabeça mais elevada”.

Outro ponto importante que a cirurgiã-dentista aponta, é para o cuidado com a higiene bucal: “Escove normalmente os dentes e a língua, evitando as áreas da cirurgia. Faça bochechos leves e passivos 3 vezes ao dia com anti-séptico bucal e compressas de gelo no lado externo”, esclarece Rhianna, que também alerta: “Caso haja febre alta, edema, dor persistente, sangramento exagerado ou dificuldade de abrir a boca por mais de três dias, entre imediatamente em contato com o seu dentista”.

Cicatrização da extração de siso: quanto tempo leva?

A remoção dos pontos acontece geralmente entre 7 e 10 dias após a extração. No entanto, Rhianna esclarece: “A cicatrização pode ser mais lenta em pacientes fumantes, diabéticos e que apresentem alguma doença sistêmica prévia”. Mesmo assim, se após a remoção dos pontos o local voltar a doer ou a ter edema até 10 dias depois, é importante procurar o dentista responsável para uma reavaliação de uma possível infecção ou alveolite (infecção do alvéolo, ou seja, do interior do osso onde o dente se encontrava alojado).

Problemas bucais que podem aparecer nesse momento

O principal problema que pode ocorrer é infecção e alveolite. “É como uma complicação pós-operatória e é bem comum em procedimentos como esse. Suas características principais são alvéolo úmido ou seco, odor fétido e muita dor”, esclarece. Muitas vezes, esse quadro é resultado de um pós-operatório ruim, no qual o paciente provavelmente não teve os devidos cuidados. Para a dentista, a parestesia também pode ser um problema, principalmente na extração de siso incluso com proximidade do canal mandibular. E por fim, o trismo. Este, é a limitação de abertura bucal, que acaba atrapalhando a higienização do local e a alimentação do paciente.

O retorno para reavaliação pós-operatória deve ser agendada no dia do procedimento. “O dentista irá remover a sutura e avaliar a cicatrização do local, se houve alguma complicação pós-operatória e se a cicatrização do alvéolo está ocorrendo de forma esperada”, finaliza Rhianna.


Este artigo tem a contribuição do especialista: ID NO PUBLICADOR 540
Rhianna Barreto - Cirurgiã-Dentista
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ:37448