O tempo de recuperação de um implante dentário pode acontecer de 3 semanas até 6 meses! É dessa forma que o especialista em implantodontia Vinicius Marchiori responde por conta das diversas variações para o implante. Segundo ele, a osseointegração é o que pode demorar mais, já que existe a possibilidade de o implante acabar falhando durante todo o processo. A osseointegração representa o tempo que o organismo passa a entender o implante como parte do próprio corpo. Por conta disso, tanto o estado ósseo do paciente quanto o material usado para realizar a cirurgia podem fazer com que o período de recuperação seja diferente. Para entender melhor, pedimos que o especialista explicasse mais essas variações, além de comentar como é o pós-cirúrgico!

O tempo de recuperação do implante depende do uso do paciente e do material

A recuperação do implante dentário envolve duas etapas: a cicatrização gengival e a integração do osso ao implante, chamada de osseointegração. O implantodontista explica que a cicatrização é bem rápida. Dentro de uma semana, já é possível remover todos os pontos. Já a osseointegração pode ter mais variações, principalmente dependendo do material usado. “Implantes com superfície hidrofílica (com atração por água) ‘osseointegram’ entre 3 e 6 semanas, enquanto implantes com outras superfícies levam 3 a 6 meses para ‘osseointegrar’”, explica ele.

Uma outra variação é na situação óssea do paciente. “A instalação de implante em osso saudável e com densidade adequada pode levar entre 3 semanas a 6 meses”, comenta. Quando o paciente precisa repor a estrutura óssea por meio de um enxerto, o tempo pode aumentar bastante. “Após a osseointegração, os implantes são reconhecidos pelo corpo como parte dele, antes de ‘osseointegrar’ há risco de perder o implante por movimentos precoces ou infecções, já que a boca é um ambiente contaminado”, explica ele. Assim, o tempo só poderá ser determinado por um especialista.

É possível diminuir esse tempo?

Sim! O paciente pode facilitar a osseointegração seguindo todas as indicações do especialista. Uma outra dica é realizar procedimentos com laser de baixa potência. O principal benefício desse método é acelerar o metabolismo celular no local. “Esses lasers diminuem o tempo de osseointegração, melhoram a organização dos tecidos ao redor do implante e minimizam o incômodo, consequentemente diminuindo também o uso de medicamentos para controle da dor”, lista o profissional.

Como é o pós-cirúrgico do implante dentário?

Segundo o profissional, o pós-operatório da cirurgia de implante é o mais tranquilo entre as cirurgias odontológicas. “A instalação de implantes exige uma técnica que não causa danos às células ao redor do implante para que a osseointegração ocorra com sucesso”, explica ele. O mais comum entre os pacientes é sentir incômodos na gengiva. Para isso, os analgésicos mais leves geralmente resolvem o problema! Se quiser recorrer a esses medicamentos, não se esqueça de perguntar seu cirurgião-dentista qual é o mais indicado para o seu caso.

Para garantir o sucesso do implante, a higiene é fundamental!

A melhor forma de garantir que o implante se adapte ao organismo é por meio de uma higienização exemplar. Para isso, você deve perguntar ao seu dentista qual a melhor forma de fazer isso com o modelo de prótese que está sendo usado. “A prótese tem que ter um design que permita total acesso para higiene das conexões entre ela e os implantes”, explica. Para um implante saudável que dure por muitos anos, você deve ter uma ótima rotina de higienização! Se isso não for feito, há chance de perder o novo elemento e ter de passar por toda a cirurgia novamente.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Vinicius Marchiori - Especialista em implantodontia, em biologia celular e molecular e mestre em lasers.
São Paulo - SP
CRO-SP: 55.655