Um sorriso de criança é muito mais bonito quando tem os cuidados certos! Já se sabe que escovar os dentes e passar o fio dental são ótimas maneiras de manter uma boa higiene bucal, mas você sabia que só isso não basta? Visitas periódicas ao dentista para realizar a profilaxia dentária são necessárias para que os dentinhos dos pequenos fiquem firmes e fortes. Se você nunca ouviu falar sobre essa técnica, confira o que a odontopediatra Simone Bastos explicou sobre o assunto.

O que é a profilaxia dentária infantil e como ela é realizada?

A profilaxia dentária nada mais é do que o procedimento de limpeza dos dentes. Na prática, esse processo é responsável por remover placas bacterianas da superfície dentária e deixar a saúde bucal do paciente com o melhor aspecto possível. “Ela é realizada com escovinhas e taças de borrachas especiais, além de uma pasta profilática que possui em sua composição abrasivos que ajudam a remover a placa e polir a superfície dentária”, explica a profissional.

Quais os benefícios dessa técnica para a criança? E os riscos?

São inúmeros os benefícios que podem ser adquiridos com a limpeza dos dentes, sendo um processo essencial para a manutenção bucal dos pequenos. “A profilaxia periódica diminui o risco de aparecimento de cáries e impede o avanço de doenças como a gengivite e a periodontite”, afirma Simone. Além disso, quando essa limpeza é realizada em conjunto com uma rotina diária de cuidados bucais, é possível prevenir e tratar doenças, mantendo um sorriso muito mais saudável.

Quanto aos riscos, Simone afirma que a profilaxia é um procedimento bem simples e, na maioria dos casos, indolor. Por isso, pode-se dizer que essa prática não traz risco algum aos pacientes, mas vários benefícios que ajudam a manter a saúde em dia.

De quanto em quanto tempo deve ser feita a profilaxia dentária em crianças? Por que?

De modo geral, o ideal é que a visita ao dentista para a realização da profilaxia seja feita, pelo menos, duas vezes ao ano, com um intervalo de seis meses entre elas. No entanto, é preciso analisar as especificidades de cada paciente, avaliando o risco de cáries com base na rotina da criança. Essa análise se faz necessária porque pacientes que apresentem maior propensão para o aparecimento de doenças bucais podem ter o tempo de uma consulta e outra reduzido, segundo a profissional, podendo ser de até dois em dois meses.

Quais as principais recomendações após passar por esse procedimento? Como os pais podem monitorar esses cuidados?

Um dos principais cuidados após a profilaxia cabe justamente aos pais ou responsáveis da criança, que é o cuidado de supervisionar a escovação. Em casos onde a criança ainda é muito pequena e ela própria não consegue realizar o processo de higiene sozinha, recomenda-se também que um adulto realize o ato de escovação por ela. “Conforme o paciente realiza visitas periódicas ao consultório, o odontopediatra em questão vai passar a orientar os pais onde se deve melhorar a escovação, de forma que se evite o acúmulo de placa bacteriana.”

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Simone Rocha de Moraes Bastos - Odontopediatra
Cabo Frio - RJ
CRO-RJ: 40813