A profilaxia dental - ou limpeza dos dentes, como é popularmente conhecida - é uma das maiores responsáveis por evitar manchas, doenças e inflamações causadas pelo acúmulo de placa bacteriana, tártaro e outras impurezas. Por isso, ela é tão importante quanto o hábito de escovar os dentes e passar o fio dental todos os dias. Mas você sabe com que frequência esse procedimento deve ser feito? Ou quais benefícios a limpeza pode trazer para o seu sorriso? Para esclarecer essas dúvidas, o Sorrisologia conversou com a dentista Uila Ramos que explicou como funciona a profilaxia dental. Veja só!

Mas, afinal, o que é a profilaxia dental e como ela é realizada?

De maneira geral, a profilaxia dental nada mais é do que o procedimento de limpeza dos dentes. Segundo Uila, ela consiste em um conjunto de procedimentos para remover a placa bacteriana que se forma e se adere aos dentes, provocando inflamação gengival, propensão a lesões de cáries dentárias e mau hálito. Na prática, esse processo pode ser feito de forma mecânica ou manual. “Na primeira, a limpeza é feita com o uso de ultrassom odontológico para a remoção da placa mais mineralizada, associado ao jato de bicarbonato para a remoção do biofilme que, além da adesão à superfície dos dentes, se acumula no limite próximo à gengiva. Já a maneira manual, é realizada através da raspagem com o uso de curetas periodontais”, explica a profissional.

Quais os benefícios em fazer a profilaxia dental regularmente?

Para a surpresa de alguns, os benefícios que podem ser adquiridos com a limpeza dos dentes são inúmeros. “A profilaxia dental preveni doenças periodontais e patologias que comprometem a saúde da gengiva e a inserção dos dentes, combate ao mau hálito e reduz os riscos de desenvolvimento de cáries dentárias e perdas dos dentes”, revela Uila. Além disso, quando essa limpeza é feita em conjunto com uma rotina diária de cuidados bucais, é possível prevenir e tratar precocemente doenças, mantendo um sorriso mais saudável.

De quanto em quanto tempo deve ser feita a profilaxia dental?

De acordo com Uila, o ideal é que a visita ao dentista para realizar a profilaxia dental seja feita, no mínimo, a cada seis meses. No entanto, é preciso analisar as especificidades de cada paciente, avaliando o risco de cáries com base em sua rotina. Pacientes portadores de doenças crônicas, por exemplo, estão mais propensos a desenvolver a placa bacteriana devido a alteração no fluxo salivar. Além disso, o dentista alerta: pacientes em tratamento ortodôntico precisam reforçar os cuidados com a higiene bucal. “A presença de inflamação gengival é prejudicial ao movimento dentário e deve ser tratada. Caso contrário, pode ser necessário pausar o tratamento até sanar completamente a inflamação gengival”.

Alguns cuidados podem ajudar a prolongar os resultados da profilaxia

Assim como outros procedimentos odontológicos, a profilaxia dental também exige alguns cuidados para prolongar o seu resultado. Entre eles, está a adoção de uma alimentação mais equilibrada. Nesse caso, é importante diminuir o consumo de carboidratos e apostar em frutas e legumes. Além disso, o consumo de, pelo menos, dois litros de água é fundamental. “O líquido ajuda a estimular a salivação em quantidade e qualidade, o que contribui para autolimpeza e a neutralização do pH bucal”, conta. A escovação e o uso de fio dental após as refeições também é essencial. Mesmo depois daquele lanchinho, combinado?

Este artigo contou com a participação de:

Uila Ramos da Silva
CRO-PE 10.380
Cirurgiã-Dentista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, Ortodontista formada pela Faculdade de Odontologia do Recife