Ainda é comum encontrar pessoas por aí receosas de ir ao dentista. Muitas logo se preocupam ao receberem a notícia de que precisam realizar algum procedimento e, em geral, o medo está associado a possíveis dores. Para contornar esse quadro, conversar com o profissional é uma dica importante. Por outro lado, alguns pacientes já pensam em recorrer à anestesia para se sentirem mais confortáveis. Mas será que ela é sempre necessária? Conversamos com o dentista Edson Shikazo Myai para saber se a anestesia pode ser solicitada ao profissional pelo paciente.

Entenda o uso da anestesia no consultório

De acordo com a explicação do profissional, a anestesia é um procedimento para causar mais conforto ao paciente no tratamento odontológico. “A anestesia é utilizada em tratamentos de canal (endodontia), extrações dentárias, instalação de implantes e restaurações profundas”, exemplifica ele. Para fazer uso do item, é preciso realizar a anamnese. Ou seja, o dentista realiza uma série de perguntas ao paciente sobre sua saúde física. E então, é possível determinar qual é o melhor anestésico para o caso e se o indivíduo está apto em receber. “Pacientes cardiopatas, gestantes e hipertensos recebem um anestésico especial”, destaca Edson.

É possível que o paciente solicite o uso de anestesia se não está confortável?

Assim como ressalta o dentista, o paciente pode pedir para que a anestesia seja usada durante o procedimento. Entretanto, o item só será realmente utilizado caso o indivíduo apresente uma saúde física em dia. “Normalmente, o nervosismo do paciente está relacionado ao medo de sentir incômodo. Por isso, após a anestesia todo o procedimento é indolor”, esclarece o odontologista. Dessa maneira, muitos pacientes ficam mais tranquilos depois da aplicação e o tratamento é seguido com mais calma por parte deles.

Veja os cuidados antes de passar por uma anestesia bucal

Da mesma maneira como ocorre com os demais procedimentos odontológicos, todos as ações e decisões do profissional são baseadas no quadro de saúde geral do paciente e as necessidades que apresenta em sua cavidade bucal. “É importante que o paciente sempre comunique o cirurgião-dentista sobre os medicamentos que utiliza, os tratamentos médicos que está se submetendo e se possui alergia a algum medicamento”, esclarece Edson. E então, todo o tratamento realizado terá maior chance de sucesso e o objetivo atingido. Além disso, se o paciente apresenta restrições, ao conversar com o dentista sobre elas, é possível encontrar as melhores soluções.