A troca de dentes é um momento marcante na vida da criança. Muitos adultos ainda recordam quando seu primeiro dente caiu e tiveram que passar pela famosa época da “janelinha” no sorriso. Enquanto isso, é aguardado o momento do nascimento do novo dente, o permanente. Agora, se os pais notarem que esse dente está demorando muito para surgir é bom ficar atento. Para entender melhor esses casos, o Sorrisologia tirou essa dúvida com a dentista Melina Mara Silva. Veja o que pode estar acontecendo com o seu filho e como é possível solucionar o quadro.

Qual é a idade que acontece o nascimento do dente permanente?

A primeira fase de transição dentária acontece na infância. “Os primeiros dentes permanentes começam a nascer por volta dos 05 anos de idade, e seriam os incisivos (dentes anteriores) e primeiros molares (dentes posteriores)”, explica a odontologista. Quando a criança já está próxima aos 9 anos, é o momento de voltarem a nascer os demais dentes, que são os caninos, pré-molares e segundo molares. A profissional explica que essa etapa é denominada como segunda fase de transição.

O que pode ter acontecido para a demora do dente permanente nascer?

A criança acaba ficando ansiosa quando seu dente de leite já está mole. E depois, fica aguardando a chegada do outro. Esse período de troca acontece em torno de um mês, quando o permanente começa a nascer. Entretanto, pode acontecer de essa transição acabar demorando um pouco mais, o que logo preocupa os responsáveis. “Se o dente de leite caiu antes do tempo por motivo de trauma ou cárie, o dente permanente pode não estar completamente formado e demorar a nascer”, esclarece Melina. E ainda, outro motivo possível para o atraso pode ser a impacção do dente permanente. Ele pode estar não conseguindo erupcionar por falta de espaço ou anquilose, rigidez da articulação.

Conheça os tratamentos para esse quadro

Para os pais que estão observando a demora para o dente permanente nascer, é indicado aguardar três meses após a queda do de leite para levar o pequeno ao dentista. “Ele deverá observar a idade e a dentição da  criança, realizar um exame de raio-x panorâmico para verificar toda a arcada dentária e se o dente que não nasceu encontra-se escondido em outros locais da boca”, explica a profissional. Vale destacar que esse exame só deve ser feito em maiores de seis anos de idade.


Além disso, há casos que pode ser indicado o uso de um mantenedor de espaço ortodôntico, especialmente para situações de perda precoce do dente de leite. Outra possibilidade é a ulectomia, uma cirurgia que soluciona quando a fibrosa formada na gengiva esteja impedindo o dente. Por outro lado, em algumas vezes basta esperar o crescimento do dente permanente, que pode chegar a um ano, e não precisa de tratamentos. De todo modo, para ter a melhor solução é preciso consultar-se com o dentista para avaliar o quadro.