Você se lembra qual foi a última vez que foi ao dentista? Talvez o consultório desse profissional não seja o mais procurado pela maioria das pessoas - principalmente daquelas que se arrepiam só de pensar no barulhinho do motor quando se sentam na cadeira -, mas, vez ou outra, um check-up bucal pode prevenir a evolução de diversos problemas no futuro. Para falar sobre a importância de agendar visitas regulares ao dentista, Dr. Fernando Luiz Tavares Vieira explica os motivos para não abandonar de vez os cuidados com o sorriso.

Não espere o problema piorar

Apesar de consultórios em geral não serem os locais preferidos dos pacientes, em algum momento, adiar a necessidade só poderá piorar a situação. Na odontologia, assim como na medicina, a prevenção é o melhor caminho para lidar com qualquer surpresa. “O check-up vai dar a oportunidade ao paciente e ao profissional de detectarem a eventual presença de doenças e tratá-las precocemente, impedindo a sua evolução”, esclarece Fernando

O que é feito na consulta

Assim como em um encontro comum com o profissional, a consulta se baseia na conversa. Fernando detalha o processo e assegura: não há motivo para medo. “O dentista, ao ouvir alguma queixa inicial, pegará informações necessárias para realizar um exame clínico mais detalhado, realizar procedimentos profiláticos e orientar o paciente sobre técnicas de escovação adequadas”. Ainda nessas consultas será possível prevenir a evolução de doenças já existentes, como eventuais cáries dentárias ainda no estágio inicial, ou outras patologias presentes na cavidade bucal. Se for para enfrentar algum processo mais delicado, tratar a situação desde o início pode tornar tudo menos doloroso.

Retornando ao consultório odontológico

Na hora de definir com que frequência se deve procurar um especialista, o bom senso é um dos parâmetros mais eficientes. De acordo com o dentista, a situação ideal é que essas visitas aconteçam a cada seis meses, contudo, se a higienização é feita de forma correta e o paciente não apresenta nenhuma queixa recente ou doença previamente instalada, os encontros podem se tornar anuais. Assim dá tempo de se preparar psicologicamente e evitar procedimentos invasivos a cada reencontro.