O objetivo final de um tratamento ortodôntico é sempre proporcionar uma boa condição funcional e estética para o paciente. Para alcançar isso existem vários caminhos, mas a meta principal nunca deve ser esquecida. Muitas vezes, para atingir os resultados esperados, o processo acaba demorando um pouco mais, o que pode acabar sendo um incômodo. Será que é possível acelerá-lo? Veja o que o ortodontista Sergio Henrique Casarim Fernandes fala sobre o assunto.

Tratamento ortodôntico: aplicação de força e movimentação dos dentes

Basicamente, o tratamento ortodôntico se constitui como a movimentação dos dentes através da aplicação de uma força sobre eles. “Estas forças provocam modificações no ligamento periodontal causando reabsorção de osso de um lado do dente, nas áreas de pressão, e a posição de osso do outro lado, nas áreas de tensão”, explica.

A maneira de aplicar a força, no entanto, pode variar muito. Podem ser usados aparelho fixos tradicionais, alinhadores móveis ortodônticos, ou ainda a própria força da língua batendo nos dentes. “Não importa como, qualquer força atuando sobre os dentes irá provocar uma movimentação neles”, afirma Sérgio. Os aparelhos ortodônticos, portanto, são dispositivos mecânicos utilizados para direcionar estar forças a nosso favor, ou seja, deixar os dentes na posição que desejamos.

A duração do tratamento depende de diversos fatores

Segundo o profissional, um tratamento ortodôntico normal dura em média entre 12 e 24 meses. Mas esse tempo pode variar devido a diversos fatores. A gravidade da má oclusão, necessidade ou não de extrações, idade do paciente, problemas hormonais, medicações e mecânica utilizada são alguns dos aspectos que influenciam nesse caso. “Pode ser mais demorado em casos mais complexos ou mais rápido em casos mais simples”, diz ele.

Existem formas de acelerar o processo?

Atualmente, a tecnologia tem trazido grandes avanços para o tratamento ortodôntico. “O tempo que o paciente fica em nosso consultório durante uma consulta diminuiu bastante”, comenta. Além disso, muitos estudos vêm sendo desenvolvidos com o objetivo de acelerar o tempo de tratamento. Osteo-micro-perfurações, corticotomias, injeções locais de PRP, aparelhos vibratórios, laser de baixa potência são algumas dessas técnicas.

Além disso, fios ortodônticos de alta tecnologia como os NiTi termoativados e alguns tipo de aparelhos ortodônticos como os chamados autoligados prometem uma diminuição do tempo de tratamento. “Mas ainda não existe uma evidência científica disso”, alerta ele. Para acelerar uma movimentação ortodôntica, é preciso acelerar a resposta biológica à força aplicada ao dente, o que depende do organismo de cada pessoa. Portanto, para diminuir o tempo de um tratamento, o melhor caminho ainda é um diagnóstico e planejamento bem feitos, com aplicação das mecânicas adequadamente. “Ou seja, uma boa Ortodontia”, finaliza.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Sérgio Henrique Casarim Fernandes - Ortodontia e Ortopedia Facial
Juiz de Fora - MG
CRO-MG: 15649