Por mais cuidado que a gente tenha, os acidentes podem acabar acontecendo no nosso dia a dia. Crianças, adultos e idosos estão sujeitos a pancadas e tombos que podem gerar um trauma. Quando este atinge a região bucal, pode danificar os dentes e tecidos de sustentação da boca. “A maior frequência de traumatismos dentários encontra-se na faixa etária de 15 a 25 anos, sendo os incisivos centrais superiores os dentes mais acometidos”, quem afirma é a dentista Caroline Zanesco. E ainda, a frequência de traumas dentários em crianças durante brincadeiras. Pensando nisso, a profissional veio apresentar os riscos desses quadro, como é possível solucionar e como evitá-los.

Como o trauma dental pode prejudicar a saúde bucal?

Quedas de bicicleta, impactos durante a atividade física e acidentes domésticos ou no trânsito são exemplos de situações comuns que podem acabar em uma trauma dental. “Consideram-se lesões traumáticas dentárias desde uma simples fratura em esmalte até à perda definitiva do elemento dentário”, define a especialista. E esses quadros podem ser caracterizados como um dos mais sérios problemas bucais, especialmente entre crianças e adolescentes.

Segundo Caroline, as fraturas coronárias, no esmalte ou dentina, e avulsões, quando há deslocamento do dente, são os tipos mais frequentes. “Todos os casos necessitam de acompanhamento a médio e longo prazo em razão das sequelas decorrentes do traumatismo, como as reabsorções radiculares interno ou externo (processo inflamatório que gera o encurtamento da raiz), necroses pulpares (morte do nervo do dente) e anquilose”, alerta ela. Por isso, procure um cirurgião-dentista com urgência nesses casos.

Quais são os tratamentos para traumas dentais?

Como são situações decorrendo de acidentes, é importante receber um atendimento de urgência em casos de traumas dentais. "Deve-se, portanto, incluir uma anamnese bem detalhada do caso, realização de exames físico e radiográfico e, idealmente, uma documentação fotográfica para que se possa instituir o tratamento correto e acompanhar o caso desde o início”, explica a dentista. Entretanto, os pacientes que não seguem corretamente as orientações podem passar por alterações na cor, posição, sensibilidade e até perda do dente, por exemplo. Além disso, a baixa autoestima e dificuldades de convívio pode acontecer.

Veja as dicas para se prevenir de traumas

Para as crianças, a profissional indica o uso dos equipamentos de segurança ideias na hora das brincadeiras e esportes. Nessa faixa etária, é possível destacar a maior atividade e força por parte dos meninos, precisando de maior atenção para não se machucar. Já para os adultos, podemos relacionar os casos de traumas com o aumento da violência no trânsito, tornando-se um problema de saúde. “É de suma importância que haja uma divulgação na abordagem preventiva e educativa sobre os traumatismos dentários, sobretudo em entidades escolares, conscientizando os educadores a esse respeito”, destaca a especialista.