Os primeiros dentinhos de um bebê começam a aparecer lá para os 6 ou 8 meses de vida. A gargalhada, que antes já era gostosa, agora é acompanhada por aquele sorriso fofo com os dentes de leite. Além da irritação e incômodo que a criança pode ter nessa fase, um problema como uma cárie também é possível? Ou os pais só precisam se preocupar com isso quando seu filho estiver grandinho? Quem explica essa dúvida ao Sorrisologia é a odontopediatra Priscila Soares da Silva.

Um bebê pode ter cárie?

A cárie é uma desmineralização do esmalte do dente. Isso significa que as bactérias produzem um ácido que ataca o dente, causando manchas e buracos. “Logo, assim que o dentinho erupciona e entra em contato com meio externo, pode cariar. Por isso é necessário levar o bebê a um odontopediatra para fazer toda a parte preventiva”. Essa prevenção consiste em aplicação de flúor, limpeza e orientação aos responsáveis sobre a escovação.

Principais causas

O hábito de deixar a criança dormir com uma mamadeira pode ser uma das causas da formação de cárie, segundo Priscila. “Quando seu bebê está dormindo, os líquidos que têm açúcar permanecem em volta dos dentes e podem causar cárie”, explica alertando que até mesmo o leite materno e o de fórmulas contêm açúcar. Ela destaca ainda outras possíveis causas, como amamentação prolongada na mãe, permitir que o bebê adormeça enquanto se alimenta e deixar a criança ficar o tempo todo com a mamadeira.

Para evitar o problema

A escovação precisa ser feita três vezes ao dia e com uma quantidade pequena de creme dental com flúor. “Do tamanho de um grão de arroz cru desde o aparecimento do primeiro dente até aproximadamente os quatro, cinco anos, quando a quantidade de creme dental é aumentada para o tamanho de um grão de ervilha”.

A gente sabe que criança não resiste a um brigadeiro. Porém, o controle da dieta é necessário. Evitar o consumo de balas, doces, chocolates e refrigerantes é importante principalmente entre as refeições. Se não for possível cortar totalmente, a dica da profissional é oferecer esses alimentos ao pequeno como sobremesa, higienizando os dentes logo depois. Essa é uma boa estratégia e é chamada de consumo inteligente do açúcar.

Outro cuidado que Priscila destaca é com a ingestão de líquidos açucarados durante a noite, como mamadeiras com leite e achocolatado e sucos. “Essa prática pode aumentar muito o risco dos bebês desenvolverem cárie, pois, normalmente, a criança dorme direto, sem fazer a higienização oral”.

Como a cárie em bebê é tratada?

Dependendo da profundidade da cárie, o tratamento pode ou não doer. Mas isso não é motivo para se preocupar. O procedimento é seguro e os pais devem se certificar de que estão colocando os filhos nas mãos de um profissional de confiança. Segundo a profissional, há casos em que o especialista prefere sedar a criança. Entretanto, também há a possibilidade de utilizar um anestésico local. "Tudo dependerá da análise do dentista. É importante lembrar que, quanto mais cedo for diagnosticado o problema, mais simples e rápido será o tratamento", finaliza.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Priscila Soares - Ortodontista
São Gonçalo - RJ
CRO-RJ: 34.734