O tratamento ortodôntico traz a possibilidade de solução para os mais diversos tipos de problemas bucais, como os de inclusão dos dentes por exemplo. Existem diferentes tipos de aparelho ortodôntico, mas o mais popular é o modelo metálico. Mesmo após a retirada do aparelho, o tratamento continua com a etapa do uso de contenção. Entretanto, podem ainda acontecer movimentações de dentes nesse momento. Saiba mais sobre o que é recidiva e instabilidade após o tratamento ortodôntico com as explicações do dentista Marcos de Borba.

Entenda mais sobre recidiva e instabilidade

Com a finalização do tempo de uso do aparelho ortodôntico, para a maioria dos casos é confeccionada a contenção, que pode ser móvel -  em geral para os dentes superiores - ou fixa - colada por trás dos inferiores. Porém, mesmo com os cuidados durante o tempo de uso do aparelho fixo, podem acontecer movimentações dentárias indesejadas. “Todas essas movimentações ou tendências dos dentes ‘quererem’ voltar para sua posição original chama-se recidiva ou instabilidade pós-tratamento”, define o profissional. Destacado por ele, alguns casos que podem acontecer são: reabrir o espaço onde foi feita extração dentária, o dente voltar a girar para um lado ou abrir um diastema no dente da frente, onde já existia antes.

Quais fatores podem influenciar esse quadro?

Segundo o ortodontista, a antecipação da conclusão do tratamento ortodôntico pode ser um fator que contribua para um quadro de instabilidade futura. Muitas vezes, isso acontece devido a ansiedade do paciente e o dentista acaba forçado a pular um passo que pode ser importante para a estabilidade dentária. “É necessário que se obedeça passo-a-passo do tratamento, como a correta sequência de arcos ortodônticos, posicionamento correto das raízes e perfeito encaixe entre os dentes”, destaca Marcos. Pensando nisso, compreende-se a relevância da contenção para o tratamento, seguindo as instruções do profissional, e evitando assim a recidiva. “O descolamento da contenção inferior também é um dos principais causadores da movimentação dentária”, completa ele. Isto acontece devido a movimentação que é comum com o avanço da idade do paciente. Para prevenir a recidiva, é indicado fazer a revisão no primeiro ano de alta para reajustar o aparelho móvel e verificar a colagem da contenção inferior, de três em três meses.

Saiba quais são as soluções para a recidiva

Nenhum paciente deseja ter alguma movimentação nos dentes após o tratamento ortodôntico, mas isto pode acontecer. “Geralmente, quando ocorre uma recidiva, a movimentação foi pequena, podendo ser resolvida com pouco tempo de tratamento, no máximo 6 meses com aparelho fixo”, explica o ortodontista. E ainda, outra possibilidade é a utilização de alinhadores. Eles são uma solução para resolver o problema, especialmente para os pacientes que não desejam voltar a usar o aparelho fixo.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Marcos de Borba - Ortodontista
Porto Alegre - RS
CRO-RS: 12129