Para as pessoas que sempre tiveram um pouco de receio em relação ao motorzinho dos dentistas, seus problemas podem estar chegando ao fim! Com os avanços odontológicos o laser de remoção de cáries chega para ser uma alternativa não invasiva no momento de remover as lesões. Seria perfeito, não é? Para entendermos mais sobre o assunto, e quando essa técnica pode ou não ser usada, conversamos com a dentista Fátima Zanin que explica mais sobre esse laser e se ele realmente retira todos os tipos de lesões de cárie.

O laser para a remoção de cárie dental

Como abordado anteriormente em Sorrisologia, para iniciar o procedimento com o laser, primeiramente, o profissional deve avaliar o quadro do paciente e assim, em conjunto com ele, decidir se esse é o melhor tipo de tratamento. Esse laser emite uma luz específica que age nos tecidos duros dentais e em produtos orgânicos da cárie. Assim, ele remove apenas a parte do tecido que está infectado, evitando danos às partes do tecido que não possuem a lesão. Como esse procedimento age diretamente na lesão da cárie, ele pode ser considerado um tratamento menos invasivo, e sem muitos problemas para o paciente.

Esse tratamento funciona para qualquer tipo de cárie?

Sim, desde que a doença cárie já tenha causado uma lesão inicial no paciente, ela pode ser tratada com o laser. De acordo com a dentista, a quantidade de água presente nos tecidos dentais faz com que a energia utilizada no tratamento com laser seja diferente. “Quando detectada uma lesão oculta de cárie, podemos primeiro usar o laser para o corte do esmalte até chegar à cárie oculta e removê-la com a energia adequada para a sua eliminação”, explica Fátima. Além de eliminar a dentina contaminada, ele consegue eliminar os produtos orgânicos e bacterianos da cárie.

Deste modo, o especialista também pode remover cáries secundárias, que geralmente se infiltram ao redor das restaurações, preservando sua parte sadia. “Quando utilizado no tratamento de lesões iniciais é possível fazer o aumento da resistência do esmalte com abordagem menos invasiva. O objetivo é preservar e também prevenir novas lesões” completa. Este laser tem ainda a habilidade de destruir microorganismos nas cavidades profundas ou superficiais da dentina.

A dentista faz um alerta sobre os cuidados prévios para realizar o procedimento

Não há nenhuma contraindicação para o uso desse laser. Porém, a dentista chama a atenção para um cuidado prévio. “É necessário apenas o uso de óculos de proteção para evitar que acidentalmente o laser se irradie os olhos. Além disso, ele não remove porcelana, restaurações em amálgama, ouro e nem outros metais”, finaliza a profissional.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Fátima Zanin - Mestre em Diagnóstico com Fluorescência a Laser e doutorado em Clínicas Odontológicas na área de Cariologia
São Paulo - SP
CRO: 196.333