O bruxismo é uma doença que acomete diversas pessoas e pode surgir por diferentes motivos. Ele pode se manifestar de duas formas: o bruxismo do sono e o bruxismo de vigília. O estresse excessivo por conta da nossa rotina maçante pode ser apontado como um dos principais causadores desse problema nos dias atuais. Conversamos com a dentista Juliana Stuginski que explica como a acumulação de ansiedade, nervosismo e exaustão do dia a dia podem influenciar diretamente na nossa saúde bucal

Quais são os causadores de bruxismo?

Como abordado anteriormente no Sorrisologia, primeiramente, o dentista deve identificar qual tipo de bruxismo está acometendo o paciente, ou seja, se é o de sono ou o de vigília. O bruxismo do sono é conhecido pela obstrução total ou parcial da passagem do ar durante o sono nas vias aéreas superiores, nariz, ou na parte posterior da orofaringe, parte da garganta logo atrás da boca. “Em crianças que dormem respirando pela boca ou adultos que apresentam apneia do sono, por exemplo, a doença acontece para que o organismo possa abrir a passagem do ar”, completa Juliana.

Já no bruxismo de vigília, a pessoa pode permanecer por longos períodos apertando os dentes, principalmente em momentos de tensão, estresse, nervoso ou até mesmo quando está concentrada lendo um livro ou estudando, por exemplo. Esse problema também pode se desenvolver como efeito colateral do uso de algumas medicações.

O estresse pode causar bruxismo?

Sim. Esse problema está associado diretamente ao bruxismo de vigília, ou seja, quando estamos acordados. Por mecanismos centrais, acaba provocando uma contração excessiva dos músculos da face, o que é mantido por muito tempo. A dentista completa: "Este comportamento é típico de quem está ansioso ou estressado, mas também pode estar presente quando estamos concentrados, realizando uma atividade que depende de muita coordenação e foco".

Não existe nenhuma comprovação científica de que o bruxismo do sono esteja associado ao estresse. Entretanto, esse problema pode acabar reduzindo a quantidade de saliva liberada durante o sono, o que, teoricamente, poderia fazer um aumento dos eventos de bruxismo. “Só podemos afirmar que o estresse é ligado diretamente com o bruxismo de vigília. É recomendado que o paciente tenha sempre um acompanhamento dentário para tratar a doença da melhor maneira o possível”, adverte a dentista.

O que fazer em casos de bruxismo causado pelo estresse?

Quando identificado o bruxismo de vigília, o cirurgião-dentista deve averiguar a relação desse problema com o estresse. O tratamento deve ser feito em conjunto com profissionais habilitados no controle do estresse, como psicólogos. “É importante estimular a prática de atividade física, boa alimentação, controle da qualidade do sono, e práticas como meditação e yoga para que o paciente tenha uma melhora efetiva no quadro", finaliza Juliana.