O mau hálito pode ter diversas causas. Por isso que todo mundo já passou por um momento desagradável de conviver com alguém com mau cheiro. O pior é que normalmente as pessoas não percebem que estão com esse problema… Mas existem alguns cuidados que podem ser tomados para evitar essa situação! Pensando nisso, será que existe uma cura para o mau hálito? Conversamos com o especialista em halitose Maurício Duarte, que nos ajudou a resolver essa questão.

Por que o mau hálito surge?

As causas para esse problema podem ser variadas.  Entre elas, existem as causas bucais, ou seja, originadas na boca, que segundo o profissional correspondem a cerca de 90% dos casos. E existem também as causas extrabucais, que são originadas fora da boca, e podem vir de dentro do organismo ou das vias aéreas superiores.

“Entre as causas originadas nas vias aéreas superiores, estão os cáseos amigdalianos”, diz ele. Esse quadro acontece quando a placa bacteriana se desenvolve nas amígdalas. Já vindas de dentro do organismo temos a hipoglicemia, que pode ocorrer devido ao o jejum prolongado ou dietas restritivas, por exemplo. “Temos também a ingestão de alimentos que alteram o odor do hálito, além do diabetes e as disfunções renais e hepáticas”, lista ele.

A placa bacteriana é a principal causa do mau hálito

Apesar de todas essas possibilidades, as principais causas bucais do mau hálito têm uma coisa em comum: o desenvolvimento da placa bacteriana. “As 3 causas mais comuns, saburra lingual, doenças da gengiva e cáseos amigdalianos, são formadas devido às placas bacterianas que se desenvolvem na língua, nos dentes, especialmente abaixo da gengiva, e dentro das amígdalas, respectivamente”, afirma ele. Se você quer ficar longe desse problema, portanto, a primeira atitude a ser feita é se manter livre da placa!

Afinal, mau hálito tem cura?

“O termo cura não é apropriado para o mau hálito”, afirma ele. O correto, no caso, é usar a palavra “controle”. Para que o mau hálito possa ser vencido, é necessário seguir uma série de rotinas e hábitos alimentares, de higiene e de vida. “Entretanto, se estas não forem seguidas diariamente, o mau hálito voltará a se manifestar”, esclarece ele.

Para explicar melhor a situação, Maurício usa a comparação com tomar banho. “Se deixarmos de tomar banho por 2 dias, já corremos um sério risco de ter mau cheiro corporal, não é? E assim é com o mau hálito, temos de ter uma rotina diária a ser seguida para controlar a formação de maus odores”, explica.

Algumas dicas podem ajudar a evitar o mau cheiro da boca

Para passar bem longe do mau hálito, a melhor opção é sempre manter uma higiene bucal diária completa, que inclua dentes, gengiva, língua e garganta, com técnicas e produtos adequados. “Ingerir diariamente pelo menos 2 litros de líquidos e controlar o estresse excessivo também é ideal”, recomenda ele. Além disso, é bom evitar a ingestão alimentos com alto teor de proteína e gordura animal como salame, mortadela, linguiça e o alho e a cebola crus ou fritos. Você não precisa deixar de comê-los, mas saiba que quando ingeri-los, seu hálito ficará alterado por algumas horas!

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Maurício Duarte da Conceição - Pós-graduado em Halitose e Especialista em Dentística Restauradora e Halitose
CRO-SP: 34.205