Uma missão que pode ser considerada como quase impossível é conseguir alertar alguém que está com mau hálito. Amigo íntimo ou não, o odor ruim vindo da boca é um grande incômodo para quem está próximo, mas nunca é simples tocar nesse assunto. Agora, imagine beijar alguém numa situação dessas. Melhor nem imaginar mesmo. Entretanto, em um momento como esses, surge a dúvida. Será que é possível que mau hálito se transmita com o beijo? Convidamos o dentista Maurício Duarte para esclarecer essa dúvida.

Quais são as possíveis causas do mau hálito?

O mau hálito, também conhecido como halitose, é caracterizado pelo odor desagradável que sai quando a pessoa fala ou também respira. De acordo com o dentista, existem, aproximadamente, 90 causas que podem fazer surgir esse problema. A origem do distúrbio pode ser bucal ou extrabucal, ou seja, de outras partes do corpos. No entanto, dados mostram uma grande recorrência. “Estudos recentes indicam que cerca de 95% dos casos de mau hálito são de origem bucal”, destaca o profissional.

O mau hálito pode ser passado pelo beijo?

A maioria das pessoas quando percebe que o parceiro ou parceira possui esse problema, logo ficam receosas de serem “contaminadas”. Entretanto, quanto a isso, você pode ficar tranquilo, já que o mau hálito não é passado pelo beijo - ou de qualquer outra maneira. Esse tipo de contágio não é possível porque ele é provocado por bactérias já existentes na boca do indivíduo. “O que faz com que esse grupo de bactérias comece a produzir maus odores é o aumento de substrato proteico a ser degradado”, explica o odontologista. Os restos salivares, de células epiteliais ou muco, são alguns exemplos que servem de alimento para os microrganismos proteolíticos, responsáveis por causar o mau hálito.

Mau hálito pode ser um indicador sobre a sua saúde bucal

É importante prestar atenção no odor da sua boca, ele tem muito a dizer sobre como está a sua saúde. “A saburra lingual e as doenças de gengiva são as principais causas bucais diretas do mau hálito”, ressalta Maurício. Além disso, um exemplo de causador indireto de mau hálito é a baixa produção salivar. Por isso, caso o paciente venha a apresentar esse quadro deve consultar-se com um profissional qualificado para dar início ao tratamento da halitose.

Os tratamentos e hábitos para fugir desse problema

As principais maneiras de tratar o mau hálito é fazer mudanças nos hábitos de higiene bucal. Além dos dentes e gengiva, não deixe de fora da limpeza a língua e garganta, que pode ser higienizada com um enxaguante que não possua álcool em sua composição. Outro importante hábito que contribui no combate ao problema é tomar, pelo menos, dois litros de água ao dia. Na alimentação, não tenha o costume de fazer um jejum prolongado, que seria acima de quatro horas sem comer. “Controle o estresse excessivo e evite alimentos com alto teor de proteína e gordura animal”, completa o dentista.