Seja para dar aquela enganada na fome ou ajudar no aumento da concentração, o hábito de mastigar chiclete é muito comum entre as pessoas. A goma tornou-se muito popular por todo o mundo com diversas opções de sabores. No entanto, é preciso estar alerta aos riscos que o chiclete, quando consumido em excesso, pode trazer para a saúde bucal, afetando diretamente a arcada dentária. O dentista Maurício Conceição explica sobre o assunto e os cuidados necessários.

Por que chiclete é contraindicado pelos dentistas?

O profissional explica que, normalmente, a contraindicação por partes dos dentistas sobre o mastigar de chicletes está ligada a sua composição, já que possui açúcar. Esse elemento é um dos grandes causadores de cáries, a doença bucal mais comum entre os pacientes. Além disso, o mascar excessivo pode causar problemas articulares e hipertrofia da musculatura mastigatória.

O chiclete também possui benefícios para a saúde bucal

Por outro lado, o odontologista afirma que há um grande benefício no uso do chiclete: estimular a produção de saliva. Esse consumo deve ser baseado em uma indicação profissional e com moderação, como de cinco ou seis vezes ao dia durante 10 a 15 minutos cada. “Nesse caso, é preciso usar a versão sem açúcar, preferencialmente com xylitol, que é um açúcar tão doce quanto a sacarose. Ele previne a cárie e não engorda” explica o dentista.

Os prejuízos da mastigação em excesso do chiclete

Mastigar chiclete demais pode trazer prejuízos para a arcada dentária. Em alguns casos, especialmente em pacientes com problemas na articulação temporomandibular, esse hábito pode causar distúrbios. “Mesmo que você não tenha um problema sério, o mastigar excessivo de chicletes, por muitas horas diárias, pode causar uma hipertrofia da musculatura da mastigação” ressalta o dentista. Além disso, outros prejuízos são referentes à adição de adoçantes artificiais no chiclete e a ação de mastigar, que induz a engolir o ar, podendo causar dor de estômago e excesso de gases.

O chiclete contra o mau hálito

Diversas pessoas mastigam o chiclete como uma tentativa de blindar o mau hálito. No entanto, ele pode funcionar apenas por alguns minutos e, por outro lado, acabar tornando-se uma dependência psicológica. Nos casos de pacientes que possuem esse costume, é preciso limitar o tempo de uso para no máximo 30 minutos ao dia. Outra indicação a ser seguida é manter uma mastigação do chiclete com delicadeza. “Se a pessoa acreditar que tem mau hálito, o ideal é consultar um profissional qualificado no tratamento da halitose”, completa Maurício.