Ouvir falar em disfunção da articulação temporomandibular pode ser novidade para muitas pessoas, mas a DTM é um problema que acomete mais pacientes do que você imagina, especialmente como consequência do bruxismo e estresse. Dentre seus sintomas podemos destacar dores de cabeça e no dente, zumbidos no ouvido e até mesmo a mandíbula travada. Entenda mais sobre esse caso com as explicações do especialista Augusto Pary.

Como saber que estou com a mandíbula travada?

De acordo com as explicações do odontologista, a dor é o sintoma mais comum desse quadro. Na maioria dos casos, a mandíbula travada está relacionada com problemas na articulação temporomandibular, conhecida como ATM. O disco articular dessa área pode entrar em descompasso e se deslocar, o que resulta no incômodo e travamento em situações mais sérias. “Esta é a articulação da mandíbula com o crânio e, quando existem problemas internos nesta articulação, pode levar ao travamento e também a estalos, principalmente na abertura, mas também durante o fechamento”, esclarece ele.

Assim, outros sinais possíveis são a sensibilidade muscular, dificuldade ou impossibilidade de abrir a boca. Além disso, bruxismo, estresse e trauma também são apontados como fatores que podem resultar em mandíbula travada de acordo com o profissional. Nesses casos acontece um tensionamento da musculatura o que acaba impedindo o movimento.

Mandíbula travada pode ser um sintoma de DTM?

A sigla DTM quer dizer disfunção nas articulações temporomandibulares, a área que foi explicada acima. “A origem da DTM é multifatorial, ou seja, pode possuir variações, não existindo uma causa específica para a complicação”, ressalta Augusto. Dessa maneira, se você está ou desconfia que sua mandíbula travou, é indicado procurar um especialista, seja para esse ou outros incômodos na região. O dentista então poderá avaliar e identificar o real causador do problema, indicando assim o tratamento certo. “Porém, na maioria das vezes o travamento da mandíbula pode indicar DTM”, completa Augusto.

E como é feito o tratamento?

Assim como explica o especialista, o tratamento de casos de mandíbula travada é similar ao da própria DTM. Por isso, a primeira etapa é identificar sua causa. “Muitas vezes, o problema articular está associado a hábitos anormais, tais como bruxismo (ranger os dentes durante a noite ou dia) e apertamento dentário, caracterizado por manter as arcadas cerradas durante a noite ou durante o dia”, destaca o dentista.

Nesses casos, essas atividades involuntárias precisam ser controladas com uso de placas personalizadas de acrílico, conhecida como placas miorrelaxantes. O indicado é usar durante a noite, sendo colocada entre os dentes, ou, em casos graves, continuar a utilizar durante o dia também. Outra possibilidades, além das placas, é a aplicação de toxina botulínica. Ele ajuda a prevenir o apertamento e bruxismo.

Entretanto, se ambas as opções não solucionarem, ainda há alternativas. “Estratégias mais avançadas podem ser usadas, como a lavagem e lubrificação da articulação por vídeo ou, em casos raros, a cirurgia da articulação temporomandibular”, explica Augusto. Para completar, é relevante seguir os cuidados para evitar o travamento, como ter hábitos saudáveis, evitar estresse, fazer alongamentos e massagens na região para diminuir a tensão do músculo.