Muitos temem ter de colocar aparelho ortodôntico porque associam a ideia ao sorriso metálico de antigamente, além de pensar em um tratamento um tanto ou quanto desagradável. Porém, a verdade é que hoje, o mercado odontológico dispõe dos mais diversos tipos de aparelhos, capazes de agradar a todas as bocas, gostos e até mesmo os bolsos. Mas não foi sempre assim. Acompanhe a linha evolutiva dos aparelhos ortodônticos e entenda um pouquinho mais sobre como eles surgiram e por que mudanças passaram!

1728: O primeiro aparelho ortodôntico

Conhecido como “bandeau” - que em português se pronuncia bandô -, o primeiro aparelho ortodôntico foi desenhado pela primeira vez pelo cirurgião dentista francês Pierre Fauchard. Feito de material metálico, o objeto possuía uma estrutura em forma de ferradura e era acompanhada de uma tira extensora, com o intuito de auxiliar a expansão da arcada dentária, e, dessa forma, abrir espaço para acomodação de novos dentes.

1819 e 1841: O fio metálico e a ortodontia

Com o aparelho já criado, foi necessário também fazer diversas adaptações nele para melhorar a condição bucal de forma apropriada. Por isso, em 1819, o francês Gaston Delabarre inventa o fio metálico, acessório fixado aos dentes para corrigi-los e utilizado até hoje. O mais engraçado é que toda a preocupação com a saúde bucal já se fazia presente nessa época, mas ainda não havia um nome para denominar tais técnicas ou tratamento. O termo “ortodontia” só foi surgir em 1841, através do francês Joachim Lefoulon, que passou a usá-lo para se referir às deformidades congênitas e acidentais da boca.

1890: A ortodontia moderna

Neste ano, o norte-americano Edward Angle, também conhecido como o pai da ortodontia moderna, se aprofundou em um estudo com as principais classificações de problemas na arcada dentária. Isso o levou, posteriormente, a criar seu primeiro aparelho ortodôntico, denominado Arco E. O modelo se resumia a um arco de metal pesado, localizado na frente dos dentes e ancorado por duas bandas de metal parafusadas nos pré-molares. Alguns anos mais tarde, em 1911, Angle lança o sistema “pino e tubo”, que permite uma ação individual em cada dente e é considerado o avô dos atuais braquetes, mas somente em 1928 as famosas bases para a montagem do aparelho fixo se tornaram uma realidade, pelas mãos de Angle.

Nos anos seguintes, os especialistas se dedicaram a aperfeiçoar a técnica de Angles por meio de novos braquetes, fios, bandas e colas especiais.

1950 e 1975: Sorriso metálico e a cola dos bráquetes

Após as revoluções odontológicas de Edward Angle, os profissionais da área passaram a se dedicar no aperfeiçoamento de tudo que foi proposto pelo pai da ortodontia moderna. Por isso, em 1975 surgiu o adesivo que permite que os braquetes sejam colados ao invés de soldados. A partir disso, foram criados novos tipos de braquetes, fios, bandas, colas especiais. Era só o começo para que os aparelhos ortodônticos ficassem cada vez mais similares ao que conhecemos hoje.

1997: Transparência

Finalmente é criado o aparelho ortodôntico transparente através da Align Technology, empresa pertencente ao norte-americano Zia Chisti. Embora a nova tecnologia só chegado ao mercado nos anos 2000, os alinhadores transparentes são considerados um dos modelos mais modernos no tratamento ortodôntico. Toda a sua produção é feita com o auxílio de softwares que especificam todas as medidas da arcada dentária, permitindo que seu encaixe seja praticamente perfeito e tornando seu uso imperceptível.