É estranho limpar algo que tem por função fazer limpeza, não é mesmo? Mas é exatamente isso que você deve fazer com a sua escova de dente. Esse instrumento tão importante para a nossa saúde bucal pode ser contaminado por microrganismos da própria cavidade bucal e o ambiente em que ele está. Por isso, as desinfecções são extremamente importantes! Você sabe como fazê-las? Conversamos com a Rhianna Barreto, cirurgiã-dentista, para entender melhor como esse procedimento deve ser feito e quais são os cuidados que o paciente deve ter com a escova.

Para que serve a escova de dente?

Não, ela não serve apenas para uma sensação de limpeza e frescor na boca. Junto ao creme dental, as cerdas macias tem a função de desorganizar a placa bacteriana. Ela é composta por microrganismos que, quando acumulados, podem formar cárie, gengivite e periodontite. “A remoção regular do biofilme supra e subgengival pode ser considerada o principal fator na prevenção e tratamento destas doenças”, explica a cirurgiã-dentista. Além disso, existem alguns tipos de escovas próprias para diferentes situações, como a interdental. Por isso, não esqueça de falar com o seu dentista sobre as disponíveis no mercado, verificando qual melhor se enquadra no seu caso.

Quais são os principais cuidados com a escova de dente?

Como a escova de dente tem contato direto com todos os componentes da boca, é preciso que o paciente tenha um pouco mais de cuidado com essa ferramenta. Não se pode dividi-la com outras pessoas e nem deixar as cerdas da sua escova encoste na cerdas da escova de outra pessoa. Isso porque o dono pode estar infectado com alguma bactéria ou vírus na boca, fazendo com que o contato dos instrumentos facilite a propagação dos germes. Além disso, saiba o que fazer depois de realizar a higienização. “Um dos cuidados mais importante é deixá-la secar entre um uso e outro. Quando úmida, pode servir como meio de cultura para bactérias”, comenta a profissional.

Saiba como guardar e limpar sua escova de dente

Além dos cuidados com principais com ela, o paciente ainda deve saber como guardar e limpá-la. É muito importante ter essas práticas na rotina porque a escova pode ser o ambiente perfeito para a proliferação de bactérias. “Ao ser utilizada uma única vez, pode ser contaminada por diferentes tipos de microrganismos que podem permanecer nas cerdas por um período de tempo variando entre 24 horas a 7 dias”, completa. Esses pequenos agentes podem chegar ao instrumento pelo ambiente ou mesmo pela cavidade bucal.

Assim, para evitar o contato pelo ambiente, o paciente deve se atentar a não guardá-la no banheiro. Esse espaço é repleto de microrganismos, como coliformes fecais, que são espalhados sempre a descarga é acionada. Por isso, guarde a sua fora do banheiro ou em um local fechado, como dentro de um armário. E, para evitar a contaminação pela cavidade bucal, é preciso fazer limpezas e desinfecções constantes.

A limpeza da escova pode ser feita diariamente

Limpar é importante para garantir uma higienização efetiva, sem as chances de contaminação pela própria escova. Por isso, a desinfecção pode ser feita diariamente. “A desinfecção pode ser realizada após todas as utilizações com água abundante e antissépticos bucais”, completa a especialista. Você pode usar seu enxaguante bucal para desinfetar o instrumento, apenas se lembre de verificar o rótulo do produto e trocar sua escova a cada 3 meses, no máximo. Também não esqueça de consultar um profissional da área, verificando se há mais alguma necessidade para o seu caso específico.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Rhianna Barreto - Cirurgiã-Dentista
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ:37448