A saúde dos dentes está diretamente associada não só com uma boa higiene, mas também com a manutenção dos cuidados feitos pelos dentistas em seus consultórios. Vindo como uma nova tecnologia ao mercado, o laser de remoção de cáries promete acabar com essa velha conhecida, causando menos danos ao material do dente. O Sorrisologia conversou com a dentista Fátima Zanin e reuniu uma série de dicas e informações para você saber mais sobre as lesões da cárie e sobre essa técnica inovadora.

Sintomas que indicam um quadro de cárie dentária

Alguns são os sintomas que podem indicar o aparecimento de cáries. Eles vão desde as manchinhas brancas, que são o sinal de lesão ainda no estágio inicial, até as cavidades abertas de cáries mais profundas ou ocultas. Contaminadas ou não, a descalcificação do esmalte dental leva à exposição da dentina, que é extremamente sensível. A dentista explica como funciona esse processo: “Quanto mais profunda a cavidade, próxima da polpa, mais dor, porém em todos os estágios de lesão, a dor é o principal sintoma”.

Como funciona o laser para remoção da cárie?

Para quem sempre temeu o famoso motorzinho do dentista já pode respirar aliviado. A Odontologia cada vez mais tem inovado nos tratamentos dentários e permite técnicas menos invasivas e com resultados tão satisfatório quanto os métodos tradicionais. Você já conhece o laser para remoção de cáries? Para iniciar o procedimento o dentista deve avaliar o diagnóstico e exame clínico da lesão de cárie para que, a partir disso, ele decida por um tratamento seguro e que mais se adeque ao paciente. "O laser é um procedimento inovador que possibilita um atendimento com menos dor e em 90% dos casos e é realizado sem anestesias”, completa a profissional. Esse laser emite uma luz específica que age nos tecidos duros dentais e em produtos orgânicos da cárie.

Fátima explica que a propriedade de absorção de cada tecido é aproveitada para desencadear a fotoablação, um mecanismo seletivo que remove a cárie. “O dentista operador deve condicionar ou cortar o tecido dental, ajustando a quantidade de energia e frequência para produzir o efeito desejado, que é a remoção seletiva da dentina afetada sem destruir a dentina e o esmalte sadios” explica.

Sim, o preparo dental com o laser preserva as estruturas sadias do dente. Esse tratamento é seletivo, pois permite que o dentista escolha qual tecido irá cortar. “Tudo irá depender da energia selecionada no equipamento, por exemplo: Quando usamos uma baixa energia, eliminamos apenas os tecidos com maior teor de água, produtos orgânicos e bacterianos da cárie dental, preservando a dentina sadia mineralizada”, explica.

Uma tecnologia não invasiva e com excelentes resultados

A dentista ainda completa: “A preservação dessas estruturas sadias, removendo só o tecido cariado, faz do laser uma técnica não invasiva, que pode e deve ser empregada com segurança aos tecidos vivos biológicos”, comenta Fátima. É sempre importante ressaltar que, esse como qualquer outro processo odontológico precisa ser realizado com um profissional da área.

O procedimento permite melhoras também na resistência do esmalte dental no tratamento das lesões de cáries. Uma outra vantagem em relação às técnicas convencionais é que, se o paciente faz tratamento com resinas ou facetas de porcelana, há o aumento da adesividade entre o material e o dente.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Fátima Zanin - Mestre em Diagnóstico com Fluorescência a Laser e doutorado em Clínicas Odontológicas na área de Cariologia
São Paulo - SP
CRO: 196.333