Perder um dente é uma situação extremamente chata, né? A autoestima vai lá pra baixo e sorrir se torna um grande problema, já que a “janelinha” ali presente não passa despercebida. Felizmente o implante dentário é uma opção para que o seu sorriso volte a ser do jeitinho que era antes: com todos os dentinhos bem bonitos e alegres. Se você está prestes a passar por um procedimento desse tipo, acompanhe a seguir tudo que o especialista em implantodontia e dentística restauradora Alexandre César tem a dizer sobre o assunto (com direito a passo a passo!).

Implante dentário: quando é indicado?

De acordo com o especialista, o implante é indicado sempre que uma pessoa perde um dente. “Pode ser porque foi extraído, perdido num acidente, ou qualquer outro motivo. Se há falta de dente, está indicado um implante”, conta. Além disso, o profissional também destaca que ao optar por esse tratamento, vários benefícios são conquistados, já que o dente volta a exercer suas funções normalmente. “Mastigação correta e um sorriso bonito são as principais vantagens”, destaca.

Existem contraindicações?

Ter um dente a menos na boca pode ser bem incômodo, e por mais que o implante dentário normalmente seja a melhor opção para resolver esse problema, Alexandre destaca que há situações em que o paciente não está apto para realizar o procedimento. O ideal é que sempre haja um acompanhamento profissional, mas o especialista também separou uma pequena lista com algumas contraindicações. Confira:
• Doenças como a diabetes descontrolada, osteorradionecrose e câncer: Pacientes com esses quadros só podem realizar o implante caso as doenças sejam tratadas.
• Falta de osso ou reabsorção óssea: Existe a possibilidade de se fazer enxerto ósseo, o que pode acabar com o problema.
• Falta de espaço entre os dentes: Indica-se primeiramente o uso de aparelhos ortodônticos. Com a correção, o implante poderá ser realizado.
• Pacientes jovens, em fase de crescimento ósseo: A contraindicação deve-se ao fato de que, ao instalar um implante, ele pode mudar de posição ao final do crescimento dos ossos.
• Outras possíveis contra indicações também são o tabagismo, a falta de higiene bucal e o bruxismo.

Passo a passo do implante dentário

Na prática, a colocação do implante dentário pode ser feita de duas maneiras distintas. O implantodontista explica que a carga imediata é quando se coloca o implante durante a mesma consulta e, no mesmo ato, já se anexa um dente preso ao parafuso do implante. “Já na carga tardia, após a instalação do implante dentro do osso, é necessário esperar de 28 dias a 6 meses para o implante osseointegrar, ou seja, grudar no osso. Só após esse período é que colocaremos o dente de cerâmica definitivo preso na estrutura.” Entenda como o procedimento acontece:

1º passo: Em primeiro lugar, existem vários exames iniciais a serem feitos. Radiografias, tomografia, escaneamento e fotografias são alguns dos que ajudam no planejamento do implante. De acordo com Alexandre, nem sempre todos são necessários, mas com certeza quanto maior o número de exames, melhor será a previsibilidade na hora da instalação do implante. Esta previsibilidade significa instalar o implante na posição correta.

2º passo: Após os exames iniciais, o dentista já vai saber qual o tamanho e espessura do implante a ser usado, bem como a possibilidade de uma guia cirúrgica para realizar o procedimento, muitas vezes sem necessidade de abrir gengivas com bisturi. Também é possível optar pela cirurgia clássica, abrindo a gengiva com a ferramenta e suturando depois.

3º passo: Para se instalar um implante, é necessário usar brocas milimetradas, para fresar uma cavidade no osso, e depois rosqueia-se o implante nessa cavidade, vedando-a.

Cuidados antes, durante e após o implante dentário

A maioria dos procedimentos normalmente requer alguns cuidados importantes, e com o implante isso não é diferente. Antes de realizá-lo, é preciso fazer uma boa profilaxia com um dentista. “Isso vai evitar que qualquer bactéria da boca entre na corrente sanguínea e atinja o coração, podendo causar uma endocardite bacteriana.”
No dia da cirurgia, o especialista sugere que o paciente faça bochechos com produtos do tipo clorhexidina, que vai ajudar a diminuir a concentração das bactérias presentes na cavidade oral, e durante o processo, abrir a boca somente quando o dentista solicitar. “Após, não se deve fazer bochechos para não remover o coágulo, que é o grande responsável pela cicatrização.”

Além disso, ele também atenta que não se deve fazer esforços físicos, já que a região estará com vasos cortados e o aumento da pressão sanguínea pode causar uma hemorragia. “Alimentos quentes também devem ser evitados, porque isso aumenta o tamanho dos vasos cortados e pode causar sangramento também”, finaliza.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Alexandre César - Dentista especializado em Implantodontia e Dentística Restauradora
São Paulo, SP
CRO-SP: 52261