Entre as doenças bucais mais recorrentes entre os pacientes a gengivite pode ser destacada como um dos itens dessa lista. O quadro é conhecido por causar inflamações nos tecidos moles da cavidade bucal e acontece com pacientes de todas as faixas etárias. No entanto, se o paciente se deixe levar pelos descuidos e não tratar essa doença, o caso pode evoluir para estágios mais sérios. Você sabe quais são essas complicações? O dentista Caio Soeiro trouxe explicações sobre as consequências da gengivite e orientações do que fazer.

A gengivite é um resultado comum da higiene bucal incorreta

A gengivite é uma doença que acomete os tecidos moles da cavidade bucal. O quadro está diretamente relacionado com a falta de higienização correta, sendo o fator mais frequente entre os pacientes. “Não haverá gengivite se não houver presença de bactérias, desta maneira a falta de limpezas profissionais frequentes e a má higiene por parte do paciente podem gerar este tipo de problema”, esclarece o profissional. Ainda segundo Caio, alterações hormonais, gravidez, estresse e alterações químicas na saliva também podem dar origem ao problema.

A doença gengival é caracterizada como um processo inflamatório nas gengivas. Por isso, o inchaço, dor, alteração na cor, ficando mais vermelha, e sangramento em casos mais severos, são sinais da gengivite. “Um indicativo em casos moderados é a perda da papila gengival (aquele ‘triângulo de gengiva’ que faz o contorno entre um dente e outro)”, completa ele.

Quais são os riscos da gengivite para a saúde bucal?

Assim como acontece com outras doença bucais, a gengivite não tratada pode causar riscos maiores para a sua saúde bucal. “Casos mais severos de periodontite, e, em casos extremos e bem avançados, gerar até a perda do dente”, alerta o odontologista. Em casos mais simples, quando essa doença é constante, pode gerar a retração do tecido gengival. De acordo com Caio, esses quadros são bastante frequentes na população em geral, o que resulta em problemas estéticos e também sensibilidade dentária. “A gengivite pode ocorrer em qualquer faixa etária visto que ela se desenvolve pela presença de placa bacteriana”, completa ele.

Saiba como é o tratamento para gengivite

Quando o paciente começa a sentir algum desconforto com sua saúde bucal, seja ao mastigar ou falar, a primeira atitude a ser tomada é marcar uma consulta com seu dentista de confiança. Dessa maneira, o profissional pode avaliar o quadro e indicar o melhor caminho para solucioná-lo. “O tratamento feito pelo profissional consiste em profilaxia e raspagem, enquanto o paciente deve manter uma higiene eficaz”, orienta o especialista. Por outro lado, se o quadro já estiver em um nível mais severo, é possível indicar o uso de medicamentos para cuidar da cavidade bucal.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Caio Soeiro - Cirurgião-dentista e professor de odontologia
São Paulo - SP
CRO-SP: 76300