O cenário é bastante popular e os sinais você já sabe quais são: a vermelhidão, o sangramento ao toque e o inchaço na gengiva não deixam dúvidas: a gengivite está marcando presença na cavidade oral. Mas, e agora, o que será que você fez para que esse problema aparecesse? Talvez a resposta seja mais óbvia do que imagina. Descubra qual é a principal causa da inflamação com a ajuda do periodontista Ariovaldo Stefani e previna-se desse quadro.

O principal motivo para a gengivite

Se a cor do tecido gengival está diferente e sintomas como dor e inchaço começam a fazer parte da rotina, é melhor investigar seus hábitos. A gengivite, essa alteração inflamatória bem incômoda tanto do ponto de vista da saúde quanto do aspecto estético, segundo o especialista, se dá pela presença do biofilme dental formado pela placa bacteriana. Portanto, de forma clara, pode-se dizer que ela é causada pelos restos de comida que permanecem no sorriso por causa de uma limpeza deficiente dos dentes.

Muita atenção na hora da escovação

O dentista conta que, por ser uma condição diretamente ligada à higiene da boca, a escovação tem papel relevante na explicação do problema - e vale reforçar que a falta da limpeza é tão prejudicial quanto a sua má execução. "É comum, por exemplo, verificarmos clinicamente que alguns pacientes escovam excessivamente os dentes, mas isso não significa que eles estejam protegidos", alerta Ariovaldo.

Isso acontece porque o número de escovações diárias não é exatamente o que conta, mas sim a forma como o ritual é realizado. "Se em algumas partes da boca a escova dental não chega nem a tocar no dente, consequentemente aquela região será mais tendenciosa a acumular bactérias", explica o profissional. Esse cenário é tudo que esses microorganismos precisam para fazer uma festa na cavidade oral.

Como tratar o problema de forma eficiente

Em linhas gerais, o melhor conselho seria para que o paciente aprendesse as práticas corretas de limpeza dos dentes. Por ser um ritual tão corriqueiro, é possível que se perca a atenção aos detalhes, e é justamente aí que o dentista entra em cena para ajudar com seus conhecimentos. "A técnica de escovação deve ser individualizada. O profissional deve identificar as deficiências na higiene atual do paciente e orientar como melhorar seu aproveitamento", finaliza o dentista.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Ariovaldo Stefani - Especialista em periodontia e implantodontia
São Paulo - SP
CRO-SP: 50.083