A gengivite é uma doença que afeta a gengiva e pode ser notada na presença de alguns sintomas como sangramento, que pode surgir durante a escovação, e inchaço gengival. O problema, em geral, é fruto de uma higienização inadequada ou até mesmo a falta dela. Entretanto, seria esse o único agente causador? É possível que, mesmo mantendo uma boa limpeza, o paciente contraia a gengivite por fatores hereditários, por exemplo? Confira as respostas da dentista Liana França sobre o assunto!

O que é gengivite, seus sinais e sintomas

“É uma inflamação na gengiva decorrente da má higienização e consequente formação da placa bacteriana nas superfícies dos dentes”, define a profissional. Dessa maneira, é possível entender a importância da higienização dessa área, assim como é feito com os dentes. Fique também atento aos sintomas, que são inchaço e sangramento do tecido mole, podendo também apresentar mau hálito. “Parte dos pacientes relata dor”, completa Liana. A gengivite, contudo, significa o  estágio inicial da doença periodontal. E então, caso não receba o tratamento correto, o quadro pode piorar e causar perda dentária

Gengivite pode ser hereditária?

Geralmente, pacientes que apresentam esse problema acabam questionando com o dentista sobre a possibilidade de ser um fator hereditário. Dessa maneira, a estomatologista afirma que a gengivite não é um problema passado de pai para filho. Entretanto, no caso de doenças periodontais, a hereditariedade pode acontecer. “A doença periodontal agressiva, por exemplo, tem um padrão familiar já estabelecido”, explica a dentista. Atualmente, existem estudos que se aprofundam nesse assunto e buscam relacionar essas condições. A procura de resultados é feita através de técnicas de biologia celular e molecular.

Prevenção da gengivite e  tratamentos

É possível se prevenir a gengivite e eliminar alguns fatores de risco. A principal maneira de contornar esse quadro é através da higienização bucal. Ou seja, não abra mão da escovação e do uso do fio dental, como indica a dentista. Isto porque, com a limpeza, você consegue controlar a placa bacteriana e impede o acúmulo de placa na sua cavidade bucal. No caso do paciente já apresentar um quadro de gengivite, existem diversas possibilidades de tratamento para a inflamação gengival.


A estomatologista detalha: “Limpeza profissional dos dentes (profilaxia), instrução de higiene oral (o paciente precisa saber escovar bem os dentes para retirar de forma eficiente a placa dentária), prescrição de bochechos com agentes capazes de diminuir a formação da placa”. Lembrando que, para dar início a qualquer um deles, é necessária uma consulta e indicação do dentista.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Liana França Araújo - Estomatologista e Mestre em Patologia Bucal
Niterói - RJ
CRO-RJ: 19174

Atualizada em 28/12/2018