Cuidar da nossa saúde dental é uma das principais tarefas para quem deseja uma boca saudável e livre das lesões da cárie. Porém, não é só mantendo uma boa higiene que nos prevenimos desse problema que é um velho conhecido nosso. É importante entendermos o que é o esmalte dental e qual a sua função em nosso organismo, para que assim, cuidemos mais dessa camada que é muito importante para os nossos dentes. Conversamos com a dentista Fátima Zanin que explica o que é o esmalte dental, qual a sua função e quais são os cuidados que precisamos ter para que ele esteja saudável.

O que é o esmalte dental e para que ele serve?

O esmalte dental é uma substância que recobre a dentina na parte visível do dente e o protege de qualquer estímulo externo, que venha principalmente do próprio meio bucal. “Exemplos de proteção seriam as mudanças bruscas de temperatura, pressão, pH ácido dos alimentos e ataques bacterianos”, explica Fátima.

É interessante lembrar que os dentes são organismos vivos imersos no meio bucal, desta forma, eles reagem aos estímulos através de sensações, desde uma sensibilidade leve até a hipersensibilidade ou dores de diversas intensidades, quando há alguma espécie de comprometimento pulpar.

Hábitos que são nocivos e podem comprometer o esmalte dental

Muitos são os motivos que levam à desmineralização do esmalte. A causa mais conhecida da cárie dental é a ingestão de açúcares, como os doces, refrigerantes, frutas, sucos e massas. A dentista explica que esses tipos de açúcares vão interagir com algumas bactérias que podem estar presentes na cavidade oral. “Com essa junção, há a formação de ácidos que vão diminuir o pH da boca e acabar iniciando os primeiros sinais da cárie dental, que são as manchas brancas que podem surgir e se transformar em lesões ”, explica Fátima.

Além disso, um outro hábito que pode contribuir para a desmineralização do esmalte é a frequência com que ingerimos açúcares e o tempo que ele permanece em nossa boca. A dentista faz um alerta: “A partir de 30 minutos, após a ingestão desses açúcares, o esmalte se torna vulnerável e quanto mais tempo ele permanecer na saliva em contato com a superfície dental, maior será a chance de começar o processo de desmineralização”, alerta.

Maneiras de se inibir o processo de desmineralização

Por mais que existam diversas maneiras de se se inibir esse processo, a melhor delas é higienização correta, para retirar os resíduos de alimentos que podem ficar presos nos dentes, e nas gengivas. Quanto mais tempo esses resíduos permanecem aí, mais espessa e visível se torna a película, que se organiza com as bactérias e placa bacteriana. “Dependendo do tipo de bactéria que esteja nessa película, elas podem roubar o cálcio da estrutura do dente formando a cavidade da cárie.”, explica a profissional.

Quais são as consequências de um esmalte dental enfraquecido?

Quando o esmalte dental está enfraquecido, a sua função de proteção é prejudicada e a consequência disto é que o esmalte fica suscetível às trincas, erosão, desgastes pelo atrito oclusal, e também por conta da abrasão mecânica de uma escovação incorreta. “Por conta desses fatores, a invasão bacteriana pode ser facilitada, o que causa maior sensibilidade e dor”, finaliza a dentisra. Além disso, o esmalte fica sem brilho, mais fino e pode ficar também mais escuro, dando uma cor amarelada aos dentes.