Na hora de escolher a escova de dentes certa, sempre rola aquela dúvida: “qual será que é a melhor para o meu sorriso?” E por mais que existam várias opções, a recomendação da maioria dos dentistas é para evitar as escovas de cerdas duras, pois elas podem ferir a cavidade bucal do paciente. Para entender por que isso acontece, o Sorrisologia bateu um papinho com a especialista em prótese dentária, Camila Sodré, que esclareceu algumas dúvidas sobre o assunto e explicou em que casos as cerdas duras podem ser úteis.

Que riscos as cerdas duras podem trazer para a saúde bucal?

Segundo a especialista, as escovas de cerdas duras causam agressão à margem gengival do paciente durante a escovação. Além disso, Camila destaca: “ Esse problema é reforçado se houver excesso de força durante a escovação pelo paciente”. Isso acontece porque muitas pessoas costumam associar força à uma boa higiene bucal, mas a verdade é que escovar os dentes com jeitinho é muito mais eficiente do que com força. Além disso, seu uso é ainda mais contraindicado nos seguintes casos:

• Sensibilidade dentária: Se o paciente tiver sensibilidade dentária, não é recomendado o uso de escovas com cerdas duras. “Estas escovas podem piorar seu quadro de sensibilidade que é causada pela exposição da dentina devido a perda do esmalte dentário ou retração gengival.”

• Retração gengival: Apesar de ter diversas causas, como o mau posicionamento de algum elemento dentário ou até mesmo o bruxismo (ato de ranger os dentes durante o período noturno), a retração gengival também pode ser provocada pelo uso de força em demasia durante a escovação, que promove um trauma responsável por retrair a gengiva.

• Doenças periodontais: Por último, mas não menos importante, os pacientes com esse tipo de condição devem fazer uso de escovas com cerdas macias para não agredir ainda mais o tecido gengival, segundo a especialista.

Esse tipo de escova pode ser indicado em algum caso?

As escovas de cerdas duras não existem à toa: elas podem ser indicadas para a higienização de próteses dentárias, já que promovem a remoção de resíduos alimentares com mais eficácia do que escovas macias nesse caso, segundo a especialista. No entanto, para pacientes que não usam próteses, o recomendado é usar escovas macias e não duras para a higienização dentária para que não ocorra agressão do tecido dentário. “Além disso, a escovação deve ser realizada sem força excessiva e com cuidado especialmente na margem do tecido gengival”, complementa.

Seu dentista é um grande aliado

Na hora de escolher uma escova de dentes, uma boa dica é visitar o dentista e perguntar o que ele recomenda, pois como ele é um especialista em saúde bucal, poderá indicar a escova mais apropriada para o tamanho da arcada do paciente (escova com cabeça menor ou mais larga). Além disso, ele também poderá medir se a escova deve ser mais ou menos macia, já que isso dependerá da condição bucal, idade e hábito de higienização do paciente.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Camila Stofella Sodré - Especialista em prótese dentária
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 40419