Cuidar da higiene bucal é uma das principais maneiras de conquistar um sorriso bonito, e a escova de dentes é uma grande aliada nesse momento. Com um pouquinho de creme dental aplicado nas cerdas, a escova consegue limpar toda a superfície dentária, removendo as placas bacterianas que se aglomeram na região durante o dia. Mas com tantas opções e modelos diferentes no mercado, como saber qual é a escova mais apropriada para você? Qual o momento ideal para trocá-la? Quem usa aparelho precisa de escovas específicas? Essa é a hora de você saber tudo que precisa sobre o assunto!

1. Os diferentes tipos de escovas de dente

São tantas opções que rola a famosa indecisão na hora de escolher a sua companheira de higiene bucal, a gente sabe como é. E agora? O que fazer? Antes de mais nada, é preciso entender também como funciona cada tipo de escova de dente, pois isso pode ajudá-lo a definir qual é a melhor para ajudar a manter o seu sorriso bem limpinho. O Sorrisologia te explica um pouquinho mais sobre cada uma delas, mas, se ainda assim rolar uma dúvida, vale pedir uma orientação do seu dentista para entender qual é a mais apropriada para o seu caso.

1.1 Escova manual

Esse é o tipo mais comum de escova, e é o que as pessoas normalmente usam na hora da higiene bucal. A recomendação dos dentistas, no entanto, é que o paciente fique atento à cabeça da escova, já que o ideal é que ela seja arredondada e com cerdas macias, garantindo uma limpeza mais eficiente e que não machuca a gengiva. Além disso, uma das grandes vantagens desse modelo é que ela não precisa de fonte de energia para funcionar, como a elétrica. "Desde que bem manuseada, proporciona movimentos com maior precisão e mais eficiência, sem causar danos nas estruturas dentais e ao tecido gengival. Porém, dependendo do modelo, existem limitações do tamanho da cabeça, tipo de cerda e cabo", explica o dentista Marcelo Giannini.

1.2 Escova à pilha

A escolha à pilha, por sua vez, necessita de energia para funcionar corretamente. Com uma vibração constante, a escova consegue higienizar toda a cavidade bucal de forma bem ampla. Entretanto, vale destacar que, por mais que ela vibre e seja mais moderna que a escova manual, é o paciente que deve realizar o movimento de limpeza dos dentes, pois apenas o movimento rotatório feito pela escova não é suficiente para atingir toda a superfície dos dentes. Quanto às cerdas, é possível realizar sua troca por meio de refis.

1.3 Escova elétrica

Além dos benefícios que uma escova de dentes comum pode oferecer - como a remoção de placa bacteriana e uma boca infinitamente mais saudável, por exemplo -, a escova elétrica recarregável é uma excelente alternativa para quem busca uma higiene bucal ainda mais completa. Ela oferece formas especiais de escovação para dentes sensíveis, e ainda conta com massagem na gengiva. Legal, né? "A escova elétrica é mais prática e facilita os hábitos de escovação, não necessita de movimentos manuais e possuem controle do tempo da escovação, vibração das cerdas e força aplicada. O movimento rotatório pode ajudar a remoção da placa bacteriana em alguns locais onde os dentes estão posicionados", destaca o especialista Marcelo.

1.4 Escova ortodôntica

Esse é o modelo mais indicado para pacientes que usam aparelho ortodôntico. Isso porque as escovas ortodônticas têm um formato diferente das demais, sendo este com as cerdas em “V” e que permitem uma limpeza mais eficiente tanto das laterais dos dentes quanto do próprio aparelho. "Elas possuem uma canaleta central que facilita a limpeza dos dentes quando o paciente está utilizando aparelhos colados aos dentes", explica o especialista em ortodontia Caio Botta. Além disso, ele também destaca que a presença de alturas diferentes desse modelo facilita o contato das cerdas em uma superfície maior do dente e do aparelho - isto é, com o aumento da superfície de contato, a higiene no local também é beneficiada.

1.5 Escova interdental

Pacientes que usam aparelho ortodôntico, além de utilizar a escova ortodôntica, também podem contar com um outro item para auxiliar na higiene bucal: a escova interdental. Muitas vezes esse modelo se apresenta com um cabo mais longo, de forma que suas cerdas são mais curtinhas, apropriadas para escovar as partes mais estreitas da arcada dentária. De acordo com a odontopediatra Camila Almeida, esse tipo de escova pode ser usado para casos além do tratamento ortodôntico, como por exemplo como complemento à escova normal nos casos de perdas ósseas provocadas por doença periodontal, e até mesmo no uso de próteses fixas ou implantes. No entanto, pacientes que não se enquadram nesses quadros devem ter muito cuidado, já que a escova interdental pode forçar a gengiva e provocar uma lesão por trauma. "Ela somente deve ser usada como complemento e sob orientação do seu dentista", orienta a dentista.

2. Os diferentes tipos de cerdas

Outro ponto muito importante na hora de escolher a escova que vai te acompanhar na hora da higiene bucal é prestar atenção quanto às cerdas do modelo. Por mais que isso pareça apenas um mero detalhe, acredite: saber distinguir uma cerda de outra pode fazer toda a diferença na hora de você cuidar da saúde dos seus dentes. Que tal entender um pouquinho mais sobre o assunto e como isso pode te ajudar a escolher a escova certa?

2.1 Macias e extra-macias

As escovas de cerdas macias ou extra-macias costumam ser a opção mais recomendada pelos dentistas. Por serem mais suaves, esse tipo de cerda consegue limpar os dentes e remover toda a placa bacteriana presente na superfície sem agredir as gengivas e de maneira bem eficiente. Entretanto, é importante que as cerdas sejam bem arredondadas, pois só assim a escova conseguirá alcançar todos os lugares da cavidade com mais facilidade. Esse tipo de cerda costuma ser indicado tanto para crianças com os dentes de leite, quanto para os adultos, que já possuem a dentição permanente.

2.2 Duras e médias

Muita gente associa uma boa escovação à força aplicada na escova de dente e acredita que quanto mais rígida for a cerda, maior será a eficiência da higiene, mas isso não é verdade. Aliás, é exatamente o contrário que acontece. Esse tipo de cerda junto a uma forte escovação pode machucar a gengiva e até danificar o esmalte dentário, trazendo vários problemas para o paciente, como infecções e doenças periodontais. Mas, apesar de não ser uma boa opção para a higiene bucal da maioria dos pacientes com dentes permanentes, esse tipo de escova pode ser indicada para a limpeza de prótese, dentaduras e outros apliques dentários.

2.3 Cerdas especiais

• Cerdas que indicam quando a escova deve ser trocada: além de serem macias, esse tipo escova possui cerdas com uma coloração diferente. Quando está chegando o momento de substituir a sua companheira por uma nova, não é difícil perceber, pois ela mesma te mostra isso. Legal, né?
• Cerdas antibacterianas: elas possuem um sistema que não apenas ajuda a remover a placa bacteriana dos dentes, como impede o crescimento de bactérias na escova por um período de 90 dias.
• Cerdas polidoras: esse tipo de cerda ajuda a reter o creme dental, permitindo limpeza mais eficiente de manchas nos dentes.
• Cerdas com tecnologia Pro-Flex: elas são mais flexíveis que as demais e seu potencial de remoção de placas possui uma eficiência de até 93%.

3. Como escolher a escova certa?

Não tem jeito, a melhor maneira de saber qual é a escova correta que você deve usar é a partir de uma consulta com um dentista. "Ele saberá indicar a escova ou as escovas ideais para cada pessoa", afirma Leonardo. Além disso, no consultório, o profissional vai poder instruir o paciente quanto à forma correta de higiene oral, ou seja, você vai conhecer as técnicas de uma boa limpeza oral e as ferramentas necessárias para praticá-la, como as escovas, o fio e o creme dental adequados.

4. Quem usa aparelho, tem que usar a escova ortodôntica e interdental juntas?

Apesar de ambas serem necessárias para uma higiene bucal mais completa nos pacientes que usam aparelho, elas desempenham papéis diferentes nesse processo. Por mais que o objetivo seja o mesmo, de eliminar toda a sujeira do sorriso, o ortodontista Flávio Cotrim explica as diferenças funções de cada uma: "A escova ortodôntica tem como função a higienização dos dentes, possuindo uma conformação adequada para adaptação aos braquetes. Já a escova interdental, pelo fato de apresentar cerdas cônicas ou cilíndricas, higieniza melhor aqueles espaços entre os dentes". Além disso, o espaço entre os dentes também outro ponto relevante na hora de higiene, já que pacientes que apresentam grandes espaços precisam da ação conjunta dessas ferramentas, enquanto pacientes com um espaço mais reduzido pode substituir a escova interdental pelo uso de fio dental.

5. Por que é importante trocar a escova de dente depois de um tempo?

É inevitável que, com o tempo, a sua escova comece a ficar velhinha e com as cerdas desgastadas. Quando isso acontece, a melhor coisa a se fazer é substituí-la por uma nova, já que a higiene dos seus dentes começa a ficar comprometida, pois como as cerdas vão se “abrindo”, a limpeza torna-se ineficaz. Normalmente os especialistas recomendam a troca de escovas a cada três meses, e usá-la por mais tempo do que isso pode trazer vários problemas para a saúde bucal do paciente como consequência. Então é sempre bom ficar de olho nas cerdas, para garantir que elas não estão muito desgastadas para cumprir o papel de limpeza corretamente. Além do mais, se você contraiu alguma infecção ou doença como gripe e resfriado recentemente, trocar a escova é fundamental para evitar que os fungos e bactérias retornem para a sua cavidade oral.

6. Dúvidas? Seu dentista pode ajudar!

Se ainda assim rolar alguma dúvida sobre qual deve ser a escova de dente mais apropriada para o seu sorriso, você pode conversar com uma pessoa que certamente entende muito sobre esse assunto: o seu dentista. O especialista está ali para esclarecer todas as suas dúvidas e ele, melhor do que ninguém, pode definir qual é a melhor opção para você. Então é só marcar uma consulta para bater um papinho sobre isso que tudo se resolve!