Sabe quando vamos no dentista e ele sempre faz alertas sobre a alimentação? Não são apenas os excessos de balas e chicletes que é preciso ficar atento. Os alimentos são fontes de nutrientes para o funcionamento do corpo e, quando não ingerimos o suficiente, é caracterizado como uma deficiência. No caso da saúde bucal podemos destacar a relação com a falta de vitamina D. Para conhecer os quadros que essa influência pode causar, conversamos com a dentista Beatriz Bussab e a nutricionista Milena Lopes sobre o assunto.

Qual é a importância da vitamina D para a saúde bucal?

De acordo com a explicação da odontologista, o déficit de cálcio pode ter relação com uma baixa absorção de vitamina D. O nutriente contribui para o aumento de absorção intestinal do cálcio, que é essencial para a formação e saúde dos dentes, fazendo a regulação dos níveis deste no organismo. “O cálcio e a vitamina D, além de prevenirem a osteoporose, também são eficazes na redução da perda de dentes”, esclarece ela. E ainda, a nutricionista completa sobre a ação da vitamina na proteção contra microrganismos responsáveis por doenças orais e na redução de inflamações gengivais. “Estudos indicam que maiores níveis de vitamina D no sangue resultam em melhores condições da saúde bucal”, destaca Milena. Além disso,

Entenda o que a deficiência de vitamina D pode provocar

Assim como esclarece a nutricionista, tanto o cálcio como a vitamina D são extremamente importantes para a formação e manutenção dos dentes e esmalte dentário. “Em qualquer idade, pois os ossos e dentes estão sempre em remodelação”, comenta ela. Já Beatriz alerta sobre um problema bucal que a falta desses nutrientes pode causar. “Cálcio e Vitamina D estão relacionados no momento em que os baixos níveis de vitamina D podem atrapalhar na osseointegração de um implante”, diz.

A especialista em nutrição lembra sobre o risco da deficiência durante o desenvolvimento dos dentes. “Pode provocar a hipomineralização e má formação, incluindo do esmalte dentário, que é um fator de risco para o desenvolvimento de cárie precoce na infância. Essas deformações ósseas e os defeitos do esmalte dentário são irreversíveis”, alerta ela. Outro ponto é a relação do déficit de vitamina D com os dois principais quadros bucais: cárie e doença periodontal. E ainda, Milena destaca sobre os baixos níveis do nutriente durante a gestação, que pode influenciar na dentição primária do bebê. “Podendo provocar cáries precoces na infância e problemas na dentição primária de crianças até aos 6 anos de idade”, explica.

Veja os cuidados para reverter esse quadro e como se cuidar

“A deficiência da vitamina D deve ser diagnosticado por um profissional da saúde e tratada”, orienta a especialista em saúde bucal. Para contornar e tratar os pacientes com carência desse nutriente, a nutricionista indica a suplementação, sendo receitado por um profissional, e também a exposição adequada à luz solar ou UVB artificial.
Para quem pega sol, de 5 a 30 minutos duas vezes na semana minimamente, e ingere os alimentos fontes de vitamina D está seguindo os cuidados ideais para manter o nível do nutriente no organismo. “São poucas as fontes alimentares de vitamina D, entre elas estão os peixes gordurosos de água fria e profunda, como o salmão e o atum, o óleo de peixe, a gema de ovo e o fígado”, finaliza Milena.

Este artigo tem a contribuição dos especialistas:

Beatriz Bussab - Cirurgiã-dentista
Osasco - SP
CRO-SP 125369

Milena Lopes - Nutricionista
São Paulo - SP
CRN-SP 41777