Endocardite bacteriana é uma infecção no revestimento interno do coração. Ela pode causar fadiga, febre, tosse persistente, dor muscular e até mesmo sangue na urina. Mas, o que isso tem a ver com o seu sorriso? Bastante coisa! Segundo a endodontista Sofia Cabaleiro,” o quadro infeccioso acontece quando uma bactéria de outra parte do corpo, como por exemplo as bactérias da boca, se espalham pelo tecido sanguíneo e se alojam no coração”, alerta ela. Mas, para evitar que isso aconteça, o melhor caminho é o da prevenção! Por isso, pedimos à especialista que nos desse dicas sobre como evitar esse problema.

Qual é o tratamento da endocardite bacteriana?

Percebido qualquer um dos sintomas listados, o paciente deve, assim que possível, buscar ajuda odontológica e cardiológica. “Se não for tratada, a endocardite pode danificar ou destruir as válvulas do coração trazendo complicações para o resto da vida”, alerta a profissional. Isso pode ser um pouco complicado, pois os sintomas desse problema são muito similares a muitos e muitos outros casos. Por isso, a opinião médica pode ser um verdadeiro divisor de águas aqui. Se o diagnóstico confirmar as suspeitas da endocardite, o tratamento passa ser direcionado. “Tratar a doença da forma adequada se dá com o uso de antibióticos fortes e específicos por um período prolongado, podendo variar de 4 a 6 semanas”, comenta ela. Em alguns casos, também pode-se recorrer à cirurgia.

Quem está nos fatores de risco da doença?

Segundo a especialista, a endocardite bacteriana normalmente acomete pessoas que já estejam em fatores de riscos. “Problemas nas válvulas cardíacas, defeitos congênitos no coração ou outros problemas cardíacos”, lista. Mas o que mais pode influenciar o desenvolvimento do quadro são problemas bucais. Isso mesmo, a gengivite pode trazer problemas ao coração. Acontece que a maioria das complicações na boca envolve uma proliferação de bactérias na região que podem migrar para a corrente sanguínea, chegando ao coração. “A presença de cáries, causada por bactéria, e problemas crônicos de gengiva, como quando sangram com facilidade, podem sim favorecer o surgimento dessa patologia”, alerta ela.

Como se prevenir da endocardite bacteriana?

Estar atualizado com as consultas médicas pode ser uma boa forma de prevenção. Lembre-se de 6 em 6 meses consultar o dentista e, pelo menos uma vez ao ano, outros médicos, como o cardiologista. No consultório, os profissionais farão os devidos exames para detectar a presença de qualquer bactéria nociva no organismo do paciente. E mais uma dica da endodontista é manter a saúde bucal em dia. “Estudos já confirmam que 90% das pessoas com problemas cardíacos também apresentam problemas bucais. Cuidar da saúde da nossa boca é também cuidar do nosso coração”, explica ela. Por isso, não se esqueça de realizar todas as escovações diárias, passar o fio dental e consultar os especialistas para considerar outros métodos de higienização se necessário.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Sofia Cabaleiro - Endodontista
Belo Horizonte, MG
CRO-MG: 34919