Você troca de escova a cada três meses conforme orientado pelo seu dentista. Esse cuidado é muito importante para manter a saúde bucal em dia, já que com o tempo ela perde a eficiência na remoção de sujeiras. No entanto, existem algumas situações em que a substituição deve ser antecipada, como em casos de gripe ou alguma doença viral. Mas será que essa mudança também precisa ser feita após uma inflamação na gengiva? A periodontista Michele Caldas explica se é mito ou verdade e o que o paciente deve fazer quanto a isso.

O que fazer após uma inflamação gengival?

As cerdas da escova é habitada por milhares de bactérias. Isso é bastante comum já que realizamos a higiene bucal e transferimos alguns micro-organismos da nossa boca para os tufos. Quando estamos gripados, essas bactérias costumam aumentar e se você não trocar de ferramenta até a sua próxima escovação, é bem capaz de ficar doente de novo. Este mesmo cenário pode se repetir para quem tem gengivite. Por isso, após passar pelo problema é preciso ficar atento. “A indicação de troca de escova também cabe após uma inflamação gengival, que leva a reinfecção da mesma forma, trazendo as bactérias de volta à atividade”, afirma a periodontista.

Entenda um pouco mais sobre a gengivite

A gengivite é uma doença causada pelo acúmulo da placa bacteriana. Quando não escovamos os dentes corretamente, muitas bactérias ficam acumuladas e, se as mesmas não forem retiradas, podem causar uma inflamação e problemas que afetam a saúde geral. “Da gengiva, esses micro-organismos podem circular na corrente sanguínea e atingir órgãos importantes, como coração e pulmão”, alerta. Isso acaba levando a sérias doenças cardíacas.

A gente sempre relaciona o sangramento durante a escovação com uma gengivite. Michele explica que esse momento costuma gerar muitas dúvidas. Será que esse alerta pode ser um sintoma da doença? Existe essa possibilidade, mas o problema também pode estar na forma de escovar os dentes e nas ferramentas utilizadas. “Muitos pacientes reclamam da gengiva sangrando ao usar a escova e o fio dental. É importante ter orientações na técnica de escovação e na hora de comprar a escova de dentes”. O ideal é que o objeto tenha cerdas macias que não machuquem a gengiva.

Cuide bem da sua escova de dente

Uma escovação bem feita tem o objetivo de limpar a boca e os dentes, mas não consegue eliminar as bactérias da escova. “Elas podem se acumular nas cerdas por causa da umidade, aumentando também as possibilidades de fungos”, diz Michele. Isso significa que a ferramenta pode se tornar aliada dos germes e bactérias se não for bem cuidada. Pensando nisso, a especialista separou algumas dicas sobre como armazenar a escova corretamente e mantê-la sempre limpa.

- Lave bem a escova para remover qualquer tipo de resíduo
- Seque bem, escorrendo toda a água
- Guarde-a bem longe da umidade.

Neste caso, é importante manter o acessório dentro de uma gaveta com um protetor de cerdas para que os germes não se proliferem. Não deixe de cuidar e trocar a sua escova regularmente.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Michele Caldas - Especialista em Periodontia e em Implantodontia
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 28587