Tratamento de canal: um dos mais conhecidos e mais temidos pelos pacientes. Por mexer diretamente com o nervo do dente, ele logo é associado a muita dor e um pós-operatório cheio de cuidados especiais. Em relação a dor, pode-se dizer que não há mais o que temer, já que a odontologia oferece tratamentos com tecnologias pensadas no conforto do paciente. Agora, as recomendações quanto aos cuidados do pós-operatório não mudam. Sem essa precaução, o dente pode voltar a apresentar problemas e, em alguns casos, pode ser necessário extrair o dente com canal. Conversamos com o dentista Silvio Pardo que explica se existe a possibilidade de um dente ter que passar por esse procedimento mais de uma vez.

Por que fazer tratamento de canal?

Há quem não goste de ouvir falar nesse tratamento. A verdade é que o tratamento de canal deixa muita gente nervosa. Como saber se eu preciso tratar o canal do dente? Existem diversas situações como contaminação pelas bactérias da cárie ou algum trauma mecânico que acaba rompendo o nervo. "Em alguns casos, o aquecimento excessivo no momento do clareamento pode ocasionar o tratamento de canal, por isso, caso você decida realizar o tratamento é importante que você sempre procure um dentista especialista no assunto”, completa Silvio.

Há riscos de o tratamento de canal não dar certo

Para o pós-operatório de canal é recomendado que o paciente tome alguns cuidados. Evitar morder alimentos duros, realizar a higiene oral normal e rigorosamente e tomar as medicações que o dentista prescreveu são alguns exemplos do que é importante nesse momento. Porém, quando mesmo após a cirurgia os sintomas ou a continuidade do processo infeccioso persiste, algumas situações podem ocorrer. As explicações para isso, de acordo com o profissional, é que o dente no meio do tratamento acabou sofrendo outra infecção ou sofreu alguma fratura instrumental.

É preciso tratar o canal novamente?

Sim, é possível. Casos em que existe a necessidade de refazer o tratamento de canal o índice de sucesso é extremamente mais baixo do que na primeira cirurgia. Isso acontece porque o processo cirúrgico altera naturalmente o dente e pode dificultar a sua cicatrização após uma segunda cirurgia.

Se o primeiro tratamento de canal não funcionar e os sintomas persistirem, é necessário um tempo de espera para saber se realmente os sintomas não desapareceram. O dentista explica: “Essa espera é necessária porque o dentista precisa saber se a causa do problema não foi removida ou se o tempo biológico de reparação do organismo ainda não havia acontecido”, finaliza. Converse com seu dentista pare receber as orientações certas sobre o que fazer e evitar riscos mais graves, como uma extração dentária.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Silvio Pardo - Cirurgião-Dentista e Especialista em Periodontia e Implantodontia e pós-graduado em Odontologia Estética
São José do Rio Preto - SP
CRO-SP: 29.597