Imagine-se na seguinte situação: você sente uma dor no maxilar ao acordar, mas deixa passar. Na hora do almoço, o incômodo volta enquanto mastiga a sua comida. E isso se repete por mais dias. O que você faz? Muitos deixam passar, mas esse desconforto pode estar relacionado à disfunção na articulação temporomandibular, as chamadas DTM. Para entender melhor esse problema, que infelizmente não tem cura, o cirurgião bucomaxilar Diego Limoeiro explica as possíveis causas da disfunção e a importância do tratamento.

DTM, o que é?

As disfunções na articulação temporomandibular são dores ou limitações que atingem as articulações ou musculatura mastigatória. Isso causa uma dor musculoesquelética que pode ser agravada por alguns fatores. "A principal é a demora em procurar um profissional capacitado. Mas outras, como o bruxismo e o comprometimento sistêmico com artrite reumatoide também podem piorar", cita o profissional.

Dor no maxilar é sempre DTM?

Depende. As dores que envolvem os maxilares podem ser de diversos diagnósticos. "Inicialmente temos que descartar alguma dor de origem dentária, pois é a causa mais comum de dor, que geralmente vão para outras áreas, inclusive para a musculatura". Segundo Diego, o bruxismo é um dos principais causadores, aumentando a chance em 16 vezes de encontrar DTM. Porém, a dor no maxilar é um dos tipos de DTM que envolve a musculatura mastigatória.

Quem é o dentista especialista em ATM?

Um dos indícios para saber se você possui essa complicação no maxilar é mesmo a dor na região. "O paciente que tenha dor na musculatura ao mastigar ou falar, bem como ao acordar ou após um dia de trabalho falando, é um dos sinais de DTM muscular", afirma o cirurgião. Mas lembrando que o diagnóstico só pode ser feito por um especialista na área, certo? Para isso você pode buscar ajuda com um Cirurgão Bucomaxilofacial e ATM, que também pode ser chamado de Especialista em Disfunção na ATM, etc.

É DTM! O que fazer agora?

Primeiro é importante procurar um especialista para que seja feito o diagnóstico, para depois estabeler um plano de tratamento e dar um prognóstico ao paciente. O tratamento da DTM normalmente foca no controle, e não cura. "A pessoa com a disfunção pode oscilar para compensado e descompensado a medida que não trata adequadamente", explica ele. A principal recomendação é sempre buscar um profissional capacitado para ajudá-lo e não se automedicar. Algumas vezes, procurar o tratamento do problema sozinho pode gerar ainda mais complicações.

O tratamento da DTM pode ir além do dentista

Cada diagnóstico há um plano de tratamento específico. "De modo geral, precisamos remover a carga em excesso que porventura o paciente esteja colocando na região", explica o especialista. A fisioterapia também é fundamental nas questões musculares. Além disso, é importante cooperar com as orientações do profissional, como em caso de exercícios e de medicação.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Diego Limoeiro - Cirurgião bucomaxilofacial / Implantodontista Pós-graduado em Cirurgia da ATM Especialista em DTM e Dor orofacial
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 31146