Como é o seu sorriso? Cada pessoa tem uma característica significativa no seu cartão de visitas bucal. Tem gente que é reconhecida pelos dentes brancos, outras pelo seu sorriso gengival e algumas pelo diastema, aquele espacinho avantajado que separa os dentes superiores dianteiros. Essa particularidade é considerada um problema bucal? É preciso consertar? Quais são as causas da formação do diastema? O Sorrisologia explica tudo sobre o assunto para você.

O que é diastema?

Diastema é aquela famosa frestinha que fica entre os dois dentes frontais da arcada superior. Essa característica possui um reflexo determinante na estética do sorriso, interferindo muitas vezes no convívio social, principalmente em adultos.

Quais os dentes mais comuns para o diastema aparecer?

O diastema costuma-se formar nos dentes superiores frontais. Ele ainda pode aparecer ainda nos dentinhos de leite, sendo fechado com a troca da dentição, ou surgir com o nascimento dos dentes permanentes. Essa frestinha geralmente surge nos dentes anteriores superiores e inferiores. Raramente ocorre entre os caninos e pré-molares ou até entre molares.

O acúmulo de placa bacteriana pode causar diastema?

De fato, esse espaço pode surgir por vários motivos, inclusive o acúmulo de placa bacteriana. Esse excesso de bactéria entre os dentes pode levar à doença periodontal com reabsorção óssea e mobilidade dentária, resultando no diastema. As placas bacterianas também podem levar à recessão gengival e mobilidade dos dentes.

Quais são as causas do diastema?

O diastema pode ser causado por uma série de motivos. Essa distância entre um dente e outro começa a aparecer a partir dos três anos de idade e indica um processo de crescimento normal da criança, caso contrário, é sinal que o desenvolvimento da face não está completo. Neste momento é importante procurar um dentista para indicar um tratamento que estimule o crescimento através de aparelhos ortodônticos.

- Retração gengival;

- Falta de um dente na arcada;

- Freio labial alongado;

- O hábito constante de chupar chupeta ou o próprio dedo quando criança;

- Doenças periodontais e gengivais;

- O acúmulo de placa bacteriana.

Diastema é considerado um problema bucal ou um charme?

Embora esse espacinho não incomode muitas pessoas, o diastema é encarado como um problema estético para os profissionais, tratando-se como um desajuste na harmonia do sorriso. Por outro lado, isso não deixa de ser um traço bem característico para muita gente, tornado-se uma marca registrada ou até mesmo um verdadeiro charme. De qualquer forma, vale ressaltar que é importante investigar a origem dessa fresta. Por isso, incomodando ou agradando, não deixe de procurar um dentista para saber a causa do diastema.

É possível manter o diastema?

Claro. É possível manter o diastema no seu sorriso, desde que esse frestinha não esteja afetando sua saúde bucal e que você não se sinta incomodado com o visual. Porém (mais uma vez), é importante consultar seu dentista para chegar a essa conclusão.

Como fazer a higiene bucal de um sorriso com diastema?

Embora muita gente não tenha esse espaço avantajado entre os dentes, a limpeza do sorriso com diastema deve ser feita normalmente com uma escova de cerdas macias e creme dental com flúor de sua preferência. Na parte do fio dental, você pode usar esse item nos demais dentes e na diastema, prefira limpar a frestinha com uma escova interdental, assim você não corre o risco de acumular placa bacteriana no local. Desta forma, é possível prevenir a formação de doenças bucais, como a cárie, a gengivite e doenças periodontais, que podem causar a piora desse diastema. Para encerrar o ritual, não deixe de fazer o bochecho com enxaguante bucal sem álcool.

Opções de tratamento para corrigir o diastema

Agora, se você deseja corrigir esse espaço entre os dentes, é importante ressaltar que para cada caso existe um tratamento diferente. Confira algumas opções que podem corrigir o diastema:

- Tratamento ortodôntico que movimente os dentes e feche o diastema;

- Fazer uma cirurgia que reduz o tamanho do freio labial;

- Uso da resina composta para fechamento do espaço;

- Uso de facetas de porcelana, prótese fixa ou colocação de implantes no espaços interdentais;

- Extração de supranumerários, de dentes extras desenvolvidos nos maxilares, que muitas vezes contribui para o posicionamento errado dos dentes.

- Fazer uma gengivoplastia para fechar o espaço interdental, realizando uma plastia no contorno gengival dos dentes envolvidos no tratamento;

Após a realização dos tratamentos, é muito importante seguir todas as recomendações médicas. A escovação também deve ser realizada diariamente, com atenção especial nesse espaço entre os dentes, além do uso do fio dental e enxaguante para uma limpeza mais completa.

Legenda: Você tem diastema? Saiba tudo sobre esse espacinho entre os dentes e como corrigi-lo