Nosso universo bucal é formado por muitos fenômenos. Um deles são os dentes inclusos, ou simplesmente aqueles dentes que não nasceram. "Os dentes frequentemente permanecem inclusos devido ao comprimento inadequado da arcada dentária que leva a uma falta de espaço para a erupção dentária", afirma Daniel Lemos dentista e especialista no assunto. Este situação afeta, na maioria das vezes, os sisos.

Quais dentes esse problema afeta?

O dente incluso é aquele que não nasceu por que não conseguiu erupcionar ou simplesmente por que não estava no tempo certo. O cirurgião Bucomaxilar avisa que este problema pode afetar muitos lugares da arcada. "Os dentes inclusos mais frequentes, em ordem decrescente são: terceiros molares (sisos), caninos superiores, pré-molares inferiores, caninos inferiores, pré-molares superiores, incisivos centrais superiores, incisivos laterais superiores e segundos molares inferiores". Existem também os classificados como semi-inclusos, aqueles que erupcionaram parcialmente.

Questões patológicas são algumas das causas

Esses dentes escondidos acabam não dando o ar da graça devido ao tamanho inadequado da arcada, ocasionando a falta de espaço. "O comprimento total do osso alveolar é menor que o comprimento total da arcada dentária. Outra causa de inclusão dentária são barreiras mecânicas que impedem a erupção do dente, como lesões patológicas (cistos e tumores) ou dentes extras chamados de dentes extranumerários ou supranumerários", explica.

O que fazer com dentes inclusos?

De acordo com Daniel, eles podem ser aproveitados, em alguns casos, através de um procedimento chamado tracionamento. "Esta técnica normalmente é realizada para o aproveitamento dos caninos superiores inclusos. Consiste em puxá-lo para fora com o auxílio de um aparelho ortodôntico". Já os sisos são dentes sem nenhuma função na boca e, por isso, a extração é o único tratamento indicado para aqueles que estão inclusos. "A remoção precoce reduz a morbidade pós-operatória e permite melhor cicatrização. A melhor época para a remoção dos sisos é entre os 17 e 20 anos".

A importância dos dentes de leite

Os dentes de leite são importantes para o futuro da nossa saúde bucal. Cuidando bem deles, podemos evitar problemas como a inclusão dentária. "Não é porque o dente de leite vai “cair” e nascer outro no lugar que não devemos cuidar deles. Eles são responsáveis por manter o espaço na arcada para os dentes permanentes". Também é essencial manter um acompanhamento periódico com seu dentista para que qualquer coisa que esteja comprometendo a erupção de um dente permanente seja diagnosticada o quanto antes.

Fio dental proporciona limpeza em todos os cantos

Para evitar os riscos de um inclusão precisamos cuidar do sorriso. "Sempre escovar os dentes após as refeições, evitar o consumo excessivo de alimentos muito ácidos e com muito açúcar e evitar hábitos parafuncionais nocivos aos dentes, como roer unha ou mordiscar objetos". Para dar aquela ajudinha, nada melhor do que usar um dos elementos-chave para uma boa limpeza, o fio dental. Com ele fica mais fácil retirar todos os vestígios alimentares usando um material resistente e suave para as suas gengivas sem ter a preocupação de arrebentar ou ferir seu sorriso.