Ver os primeiros dentinhos do bebê nascendo, além de motivo de orgulho, também traz muita preocupação para os pais. Se esse momento acontece mais cedo do que o comum, é preciso ficar alerta: os chamados dentes natais também pedem cuidado e atenção. Você já ouviu falar neles? Para entender melhor esse fenômeno, o Sorrisologia conversou com a dentista Renata Paraguassu. Confira!

Entenda o que são os dentes natais e neonatais

Embora os dentes só comecem a aparecer depois dos quatro meses na maioria dos bebês, alguns dentinhos podem despontar logo nos primeiros dias de vida. De acordo com os profissionais, o dente natal é aquele que o bebê já apresenta ao nascer. Mas se o dentinho aparece nos primeiros 30 dias de vida, ganha o nome de dente neonatal.

Não estranhe se eles mostrarem algumas características diferentes, viu? “Em sua morfologia e histologia, o dente pode apresentar anomalias, como: formato cônico, esmalte hipoplásico e coloração alterada”, explica a Dra. Renata.

Por que o dente natal aparece?

Como se trata de um fenômeno um pouco mais raro, ainda não foram definidas as causas para o surgimento do dente natal. Renata enumera algumas hipóteses: “Podem estar associados a alguma característica hereditária, hipovitaminoses (falta de vitaminas) ou até mesmo síndromes, como a displasia condroectodérmica, por exemplo.”

É preciso remover o dentinho do bebê?

Sabia que nem sempre é necessário remover o dente natal? Por isso, se você reparar que há alguns dentinhos na boca do seu bebê, o primeiro passo é consultar um odontopediatra. Cada caso é único e precisa ser avaliado individualmente. “Caso apresente mobilidade, a indicação é a remoção por trazer risco de aspiração e de complicações sistêmicas para o bebê”, explica Renata. “Deve-se evitar a remoção nos primeiros 10 dias de vida do recém-nascido em decorrência da falta de vitamina K – responsável pela cicatrização – presente nesta fase inicial da vida, aumentando o risco de hemorragia.”

Quais são os cuidados com o dente natal?

Se a extração do dentinho não for necessária, existem alguns cuidados que devem ser tomados. “Caso tenha aparência normal e não seja dente supranumerário, o ideal é preservá-lo e acompanhar a evolução da dentição do bebê”, diz Renata. Um odontopediatra pode, por exemplo, recomendar que as bordas do dente natal sejam lixadas, evitando que ele machuque a boca do bebê ou o peito da mãe durante a amamentação. Quanto à higienização, o ideal é limpá-lo com uma gaze umedecida.

Por SPPC

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Renata Paraguassu - Graduada em Odontologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Especialista em Ortodontia, Ortopedia Funcional dos Maxilares e Implantodontia. Mestranda em Reabilitação Oral e proprietária da Clínica Vivah Odonto.
Niterói - RJ, CRO-RJ: 24711