Quando começamos o tratamento ortodôntico, é inevitável contar os segundos para se livrar do incômodo do aparelho. Entretanto, mesmo com o alinhamento dos dentes e as correções feitas, o processo não acaba por aí, pois é preciso tomar todo o cuidado para que não haja problemas no futuro. Para isso, especialistas normalmente indicam o uso da contenção, e é importante entender para que elas servem e quais são os tipos disponíveis. O ortodontista Robson Caumo bateu um papo com o Sorrisologia e explicou justamente isso.

A importância da contenção no tratamento ortodôntico

O tratamento chegou ao fim e finalmente chegou a hora de dar tchau aos bráquetes. Apesar de as pecinhas estarem se despedindo, um novo acessório vai fazer parte da sua boca: a contenção. Segundo Robson, a contenção é a responsável pela estabilidade dos arcos após o tratamento ortodôntico, impedindo ou minimizando a recidiva. “Ela pode ser móvel (aparelho de hawley ou placa de acetato), ou fixa (feita com fio de aço e colada na superfície lingual dos dentes com resina composta).”

Contenção reta (tradicional) x ondulada (higiênica)

A contenção fixa, por sua vez, pode ser de dois tipos: reta ou ondulada. De acordo com o especialista, a contenção reta, também chamada de tradicional, não permite que o paciente passe o fio dental na área de contenção, precisando do auxílio do passa-fio para que a higiene local seja feita. Já a ondulada, ou higiênica, recebe esse nome justamente por permitir que o paciente utiliza o fio dental normalmente.

Os benefícios de cada tipo de contenção

Apesar de ambas apresentarem a mesma finalidade, os benefícios que cada uma traz são diferentes. A contenção ondulada proporciona maior conforto e permite uma higiene mais eficaz ao paciente, uma vez que possibilita o uso do fio dental entre os dentes. “Já a reta, por ter menos fio em sua confecção, acaba retendo menos placa sobre ela e o dente. Além disso, é uma opção que incomoda menos no início, por não apresentar as ondulações”, explica o profissional. Mas para decidir qual é a escolha ideal para o paciente, é preciso visitar um especialista, pois só ele poderá indicar a melhor contenção para o caso.

Não usar a contenção pode trazer consequências

Por mais que pareça um acessório dispensável, o especialista garante que não é. Para evitar que uma possível recidiva aconteça e haja uma regressão no tratamento feito, o seu uso se faz tremendamente necessário. Até mesmo porque, conforme Robson alerta, caso o paciente não use a contenção corretamente, ele pode ter jogado tempo e dinheiro fora se os consertados pelo aparelho problemas voltarem a aparecer.

O que muda nos hábitos de higiene com essa técnica?

Não é só porque o aparelho foi embora que se deve descuidar da higiene bucal. Até porque, conforme o ortodontista explica, a contenção retém muito mais placa, e portanto o processo de limpeza deve ser redobrado. A escovação tanto dos dentes como da contenção devem ser feitas após cada refeição, podendo-se utilizar a escova interdental para auxiliar o processo, além do fio dental.