Para muitos, comer é sinônimo de prazer. Mas para quem está se preparando para fazer a cirurgia ortognática, é preciso ter em mente que muitas gostosuras vão ter que ser deixadas de lado por um tempinho e seguir exatamente o que o dentista indicar para não comprometer o resultado final. Se você está com alguma dúvida sobre o assunto, pode ficar tranquilo! Para entender mais, o Sorrisologia conversou com o ortodontista Ricardo Castro, que esclareceu alguns pontos. Confira!

Entenda como funciona a cirurgia ortognática

Considerada um procedimento muito invasivo e que afeta significativamente os ossos e articulações faciais, é necessário que haja um planejamento muito bem estruturado antes de realizar a cirurgia ortognática. “A cirurgia ortognática, na maioria das vezes, atinge estruturas de articulação do crânio (ATM- Articulação Temporo Mandibular), fazendo com que a mastigação, fala e outros movimentos que fazemos com a boca sejam muitos limitados após o procedimento, já que o cirurgião irá travar os maxilares na posição ideal”, explica. Ele ainda acrescenta que em muitos casos, a cirurgia é feita depois de no mínimo dois anos de tratamento ortodôntico. Isso acontece porque o alinhamento dos dentes obtidos nesse processo possibilita um bom resultado de oclusão após o procedimento cirúrgico.

Cuidados com a alimentação durante a fase de recuperação

Para que o resultado da cirurgia ortognática seja um sucesso, é preciso seguir bem direitinho todas as recomendações médicas na fase de recuperação, e isso inclui a parte de alimentação. Justamente por atingir toda a estrutura do rosto, o profissional afirma que nos primeiros momentos o ideal é que a alimentação seja líquida, poupando a articulação de movimentos bruscos. Ricardo também destaca a importância de acompanhamento profissional para instruções: “Nesta fase, os cuidados são caseiros, seguindo a orientação de um nutricionista. Logo após vem a fase de recuperação dos movimentos articulares que deve ser supervisionado por um fisioterapeuta especializado em ATM.”

Há restrições de alimentos nessa fase?

O ideal é evitar ao máximo alimentos que exijam muito da mastigação, já que no início o paciente passa por um processo de travamento mandibular, onde os dentes superiores ficam amarrados aos dentes inferiores. Por isso, nada de granola, pipoca ou amendoim!

Outro ponto que o dentista realça é a importância da higiene oral durante essa fase, já que essa é a principal maneira de evitar o acúmulo de placas bacterianas que se acumulam em nossa boca. Por se tratar de um procedimento mais delicado, os cuidados com a limpeza bucal devem ser orientados por um especialista.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Ricardo Castro de Oliveira - Especialista em ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 26771