Dia de levar seu filho ao dentista e você já se prepara psicologicamente porque sabe que seu filho não facilita? Não pense que isso acontece apenas com o seu pequeno. É uma reação comum entre as crianças que costumam temer tudo aquilo que não conhecem. Existem formas bem positivas de reverter essa situação e não deixar para depois os cuidados com a saúde bucal. Desde uma conversa com os pais em casa até técnicas utilizadas pelo odontopediatra no consultório. A especialista Simone Rocha explica métodos de como acalmar a garotada durante a primeira consulta.

Entenda a preocupação do seu filho com o dentista

Antes da criança encarar a cadeira do dentista, é importante avaliar seu medo com a situação que pode ser subjetivo ou real. Simone conta que todo esse pavor é adquirido através de estórias negativas sobre consultas dentárias ou experiências ruins já vividas. Por isso, é necessário observar a conduta do pequeno antes de qualquer procedimento. "Atender crianças requer, por parte do profissional, conhecimento do comportamento e desenvolvimento infantil na tentativa de introduzir, de modo saudável, o atendimento odontológico", explica. Com muito diálogo e técnicas divertidas a consulta se torna proveitosa e o seu filho associa este momento com algo positivo.

Técnicas utilizadas pelo odontopediatra

Familiarizar a criança com o ambiente do consultório é um componente ímpar quando falamos de Odontopediatria. E para que essa experiência seja boa, o lugar precisa ter elementos lúdicos que se aproximem do seu mundo. Assim o seu filho ficará mais tranquilo e o profissional terá a liberdade de utilizar algumas técnicas para manter o pequeno calmo durante o atendimento.

Algumas maneiras adotadas pelos dentistas envolvem a distração com histórias, brincadeiras e canções que a criança gosta. Tem também a técnica do reforço positivo em que o odontopediatra e equipe sempre elogiam o paciente quando teve um bom comportamento. E, por último, o método dizer-mostrar-fazer. "O dentista apresenta os equipamentos e instrumentos utilizados durante a consulta, através de uma linguagem simples que a criança entenda, e assim a familiarize com o ambiente e perca o medo". Essa é a mais utilizada nos consultórios hoje em dia.

Experiências que acontecem no dia a dia

A profissional diz que é normal na rotina odontopediátrica lidar com pacientes apreensivos e até mesmo controversos ao atendimento. Porém, é importante utilizar todas as técnicas possíveis para acalmar a criança e educar seu comportamento sem gerar traumas. A profissional confessa que alguns pequenos não respondem bem aos métodos. "Atualmente, apenas 5% dos casos no meu consultório em que a criança apresenta alguma condição especial ou até mesmo fobia odontológica às técnicas, que não são suficientes para realizar o tratamento, sendo necessário lançar mão do atendimento com sedação". O importante é que seu filho sinta-se seguro e receba todos os cuidados para manter o sorriso bonito e sempre saudável.

Os pais podem e devem ajudar

O apoio dos responsáveis antes, durante e após a consulta é primordial. "Minha principal orientação para os pais é nunca usar a visita ao dentista como punição, pois estarão colocando um medo subjetivo nas crianças e isso dificulta o tratamento". É importante reforçar para o seu filho que o odontopediatra é um amigo que está ali para cuidar dos seus dentinhos e isso é muito bom para o sorriso dele. "Após concluir a consulta, não deixe de parabenizar pelo bom comportamento do pequeno", completa.