Você já deve ter ouvido falar na cirurgia ortognática, mas sabe ao certo do que se trata? Esteticamente, este é um procedimento que interfere de maneira significativa na construção facial: muitos pacientes recorrem à cirurgia ortognática como forma de deixar o rosto mais equilibrado e harmonioso. Mas, claro, sempre com a orientação de um profissional da área. O Sorrisologia bateu um papo com o especialista em em implantologia e reconstrução maxilar, Nelson Alfarano, e ele explicou melhor sobre a técnica e como devem ser feitos os cuidados no pós-operatório.

Você sabe o que é a cirurgia ortognática?

A cirurgia ortognática é um procedimento que vem sendo cada vez mais procurado, não apenas pela questão odontológica, mas também pela premissa de que ela possibilita uma maior harmonização facial ao indivíduo. Com o objetivo de reposicionar os maxilares para promover um padrão facial normal, melhorando a estética facial e a oclusão, o especialista explica que tal procedimento é realizado em ambiente hospitalar por um cirurgião-dentista com especialização em cirurgia bucomaxilofacial em parceria com um ortodontista.

Para quem essa cirurgia é indicada?

Essa intervenção cirúrgica normalmente é indicada para pacientes que possuem alguma desarmonia facial, como o crescimento exagerado ou inadequado de alguns dos ossos da face. Isso acontece porque, em alguns casos, somente o tratamento ortodôntico não é suficiente para solucionar o problema, sendo necessário passar pelo processo cirúrgico para alcançar o resultado esperado.

A cirurgia ortognática não é apenas uma solução estética

Apesar de trazer muitos benefícios pela questão estética, é bom lembrar que a cirurgia ortognática não é indicada somente por isso. Ela pode ser a melhor maneira de corrigir alguns problemas odontológicos e pacientes que não se submetem ao processo podem ser prejudicados. Segundo o especialista, além de comprometer a harmonia e a beleza do rosto a longo prazo saúde e bem-estar do paciente também podem ser afetados por essa negligência. Distúrbio de fala, má oclusão, problemas respiratórios, dificuldade de mastigar, desgastes nas articulações temporomandibulares, apnéia do sono, retração gengival e dificuldade de inclusão social são apenas algumas das consequências que podem ocorrer caso o paciente, mesmo com recomendação médica, opte por não realizar a cirurgia.

Como se preparar para uma cirurgia ortognática

Para que o procedimento saia do jeitinho certo, é preciso se preparar antes. O profissional comenta que a fase de avaliação e preparação costumam ser bem complexas e longas, requerendo um intenso planejamento. “Após os exames radiográficos e modelos de estudo é necessário passar por uma avaliação ortodôntica completa. O paciente utilizará aparelhos ortodônticos no período de seis meses a um ano para alinhar corretamente os dentes, preparando a boca para a cirurgia”, explica. Após esse período, a cirurgia é marcada e é questão de dias até o momento em que o cirurgião vai reposicionar os maxilares conforme o planejamento realizado no computador.

Passo a passo do pós-operatório da cirurgia ortognática

Após a cirurgia finalmente acontecer, chega a hora dos cuidados com o pós-operatório, que não é das mais fáceis, mas se o paciente fizer tudo direitinho, o resultado será incrível. Conforme Nelson indica, há algumas etapas nesse processo que não podem ser ignoradas.

1. Os cuidados iniciais são realizados pela equipe de enfermagem durante o período de internação. Após cada refeição, deve-se escovar os dentes e a língua com o creme dental apropriado e escova macia de forma delicada. Utilizar fio dental e enxaguantes bucais a base de clorexidina 0,12%.
2. Na primeira semana, a alimentação será feita somente com líquidos. Posteriormente, os alimentos pastosos são liberados e, pouco a pouco, pode ser feita a introdução dos alimentos sólidos. No entanto, vale lembrar que carnes e alimentos considerados mais duros só poderão ser incluídos na alimentação após o período de 3 meses.
3. É importante que após a cirurgia, a limpeza da cavidade oral seja feita diariamente e com muito cuidado, a fim de evitar infecções.
4. Atividades físicas deverão ser suspensas por 6 meses.
5. Após a cirurgia, o paciente continuará com aparelhos ortodônticos de 6 meses a 1 ano para realizar pequenos ajustes dentários.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Nelson Alfarano - Especialista em implantologia, reconstrução maxilar, cirurgia plástica periodontal e odontologia estética
CRO-RJ: 18163