Você provavelmente já deve ter ouvido falar sobre o bruxismo, certo? O distúrbio causado pelo hábito de ranger ou esfregar os dentes é mais comum do que se imagina e pode afetar significativamente a qualidade de vida dos pacientes. Isso porque a doença pode causar novas complicações ao seu sorriso, como a perda dentária e sensibilidade. Mas, o que poucas pessoas sabem é que, o quadro também pode resultar na pulpite, que é a condição de inflamação dos dentes. Pensando nisso, o Sorrisologia reuniu tudo o que você precisa saber sobre esse problema bucal. Dá uma olhada!

Entenda o que é a pulpite e como ela surge

Para entender exatamente o que é a pulpite, é preciso ter em mente que a estrutura do dente é dividida em três partes: esmalte, que é a camada mais externa, a dentina, que é a camada intermediária, e a polpa, que é a parte mais interna e sensível do dente. Nesse sentido, a pulpite - ou dente inflamado, como é popularmente conhecida - ocorre na última camada do elemento, ou seja, na polpa dentária. Nela, se encontram os nervosos e os vasos sanguíneos responsáveis pela vitalidade dos dentes. Dessa maneira, quando há a presença de um agente agressor, como a cárie, ou ocorre um trauma, essa região passa por um processo de inflamação que resulta no quadro. Além disso, a mastigação incorreta e a periodontite também podem causar a doença.

Pulpite reversível e irreversível: veja os diferentes tipos do quadro

A pulpite pode se manifestar de duas maneiras: reversível e irreversível. Na primeira, é quando ocorre a inflamação da polpa e ela pode ser tratada, devolvendo ao dente sua vitalidade. Entretanto, o quadro pode se tornar irreversível quando essa inflamação afeta tão gravemente a polpa de forma que o único tratamento possível é a endodontia. Nesse caso, a diferença para diagnóstico está na intensidade da dor e a resposta da polpa aos testes de vitalidade realizados em consultório.

Saiba quais são os sintomas da pulpite e como tratá-la

De maneira geral, o principal sintoma da pulpite é a dor de dente causada pela inflamação e infecção da polpa dentária. Diferente da dor provocada pela sensibilidade, que se manifesta em ocasiões específicas, como a ingestão de alimentos quentes ou frios, o desconforto gerado pela pulpite é contínuo e intenso. Isso acontece devido à pressão feita pela polpa do dente quando está inflamada. Além deste, o inchaço na cavidade oral também é outro possível sintoma do quadro.

Quanto ao tratamento, ele pode variar de acordo com grau em que o problema se encontra. Isso porque a pulpite pode ser reversível se o processo for diagnosticado e tratado precocemente. Nesse caso, é feito o processo de capeamento pulpar indireto seguido da restauração do dente. Já quando se trata de uma pulpite irreversível, o ideal é realizar a pulpectomia, que é a remoção da polpa dentária, e realizar o tratamento de canal. De qualquer maneira, é importante consultar um dentista de confiança para tratar o problema da maneira adequada e, assim, resolvê-lo de uma vez por todas.

O bruxismo pode causar a pulpite?

Engana-se quem pensa que apenas traumas e cárie podem causar a pulpite. O ato inconsciente de apertar ou ranger os dentes, especialmente durante o sono, também pode resultar na inflamação no nervo do dente e no canal dentário. Nesse caso, a pulpite é caracterizada como reversível, já que ao combater o bruxismo, o quadro é resolvido. Por isso, é importante que ao perceber qual sinal do distúrbio, o paciente consulte um profissional para que ter certeza do que se trata e, assim, garantir o tratamento mais adequado.