Você provavelmente já ouviu falar sobre o bruxismo, ou até mesmo conhece alguém que tenha que lidar com ele, mas talvez nunca tenha entendido exatamente o que é esse problema e nem como lidar com ele, certo? Pois bem, esse quadro é mais comum do que se pensa e pode afetar significativamente a qualidade de vida de quem sofre com a doença, trazendo diversos probleminhas. Com a ajuda de diversos especialistas, o Sorrisologia desvenda tudo que você precisa saber sobre o assunto.

1. Bruxismo: o que é?

O bruxismo pode ser definido como uma atividade parafuncional que inclui o apertamento ou ranger dos dentes, podendo acometer pessoas de todas as idades. Esta atividade é realizada pelos músculos da mastigação e por não apresentar nenhuma função, pode trazer diversas consequências para o paciente, como lesões orofaciais, desgastes dentários, lesão periodontal, distúrbios da articulação temporomandibular (ATM) e dor muscular. “O quadro clínico pode incorrer em alterações na musculatura mastigatória, fadiga, mialgia, miosite, assimetria na atividade muscular e comprometimento das funções”, conta a cirurgiã-dentista Renata Paraguassu. Apesar de não ter cura, é possível controlar o problema através de algum dos tratamentos indicados por um especialista.

1.1 Bruxismo diurno x noturno

São dois tipos de bruxismo existentes, como o próprio nome já indica: o bruxismo diurno, que acontece quando o paciente está acordado, e o bruxismo noturno, que está ligado principalmente a um distúrbio de sono. Além da ocorrência em horários distintos, o bruxismo diurno, também chamado de briquismo, se caracteriza pela pressão dentária (apertamento) e tem relação com fatores emocionais, como explica o cirurgião-bucomaxilofacial Diego Limoeiro: "O apertamento desperto está relacionado ao momento emocional de ansiedade e estresse, por alteração dos níveis de alguns neurotransmissores". Mas como a dentista Rhianna Barreto indica, é possível ter controle sobre a situação de maneira consciente, evitando manter os dentes em contato durante a maior parte do dia. Enquanto isso, o noturno é desenvolvido a partir do ranger dos dentes com o paciente inconsciente.

1.2 Fique de olho nos sinais

Sentir dor nunca é algo normal: é um sinal que o corpo está emitindo para que você fique atento a algum problema que pode estar acontecendo. Por isso, se as dores de cabeça estão se tornando mais frequentes, e dores musculares e no maxilar começam a aparecer, é bom procurar um médico para entender o motivo por trás disso, pois o bruxismo pode estar fazendo parte da sua vida e você nem sabe. Além disso, cansaço e desconforto durante a mastigação também são possíveis sinais de que o apertamento e ranger de dentes estão presentes na sua rotina. “Todos esses sintomas podem afetar a saúde, levando a perdas ósseas, desgastes dentários e dores pela boca", alerta a profissional Inês Horie. Então, já sabe né? Se qualquer um desses sinais perdurar, procure um especialista, pois só ele poderá realizar o diagnóstico completo.

1.3 Fatores psicológicos podem afetar

Muitas vezes o bruxismo - principalmente o diurno - está ligado à fatore psicológicos, como o estresse e ansiedade. Não é a toa que o estresse hoje em dia é uma das causas mais comuns para essa condição parafuncional, já que, devido a mecanismos centrais, o paciente tende a contrair excessivamente os músculos da face. "Este comportamento é típico de quem está ansioso ou estressado, mas também pode estar presente quando estamos concentrados, realizando uma atividade que depende de muita coordenação e foco", comenta a dentista Juliana Stuginski. Dessa forma, quando o paciente está muito envolvido em situações desse tipo, o ideal é que seja feito um acompanhamento mais específico, como indica a especialista Daniele Haller: “Dependendo do quanto o problema está afetando sua vida, é de grande valia procurar terapia com um psicólogo”.

1.4 Uma vida mais tranquila ajuda bastante

Agora que você já sabe como o estresse a ansiedade podem contribuir para um quadro de bruxismo, a dica é tentar levar uma vida mais tranquila. Não deixar as situações do dia a dia te tirarem do sério e lembrar que nada vale mais do que a sua saúde mental é uma boa forma de começar. Outra dica é praticar atividades relaxantes, como o yoga e meditação, para tentar buscar o equilíbrio. Além disso, vale lembrar que a higiene bucal deve ser mantida em dia, viu? Pegar dois minutinhos do seu tempo após as principais para escovar os dentes de maneira apropriada pode ser uma atitude muito benéfica para o seu sorriso.

2. Tratamento

Bem como foi dito, por mais que não haja cura para o bruxismo, há alguns tratamentos disponíveis que ajudam bastante quem passa por esse problema. A melhor forma de iniciar qualquer tipo de tratamento é, em primeiro lugar, identificar as causas por trás daquilo - e somente um profissional qualificado é capaz de fazê-lo. Os métodos mais utilizados para aliviar os sintomas do bruxismo normalmente são as placas ou a toxina botulínica, além da indicação de tratamento multidisciplinar, com psicólogos e terapeutas.

2.1 Placa de bruxismo

A placa de tratamento, também conhecida como placa de mordida ou miorrelaxante, desempenha o papel de proteção sobre os dentes em relação aos movimentos, voluntários ou não, provocados pelo bruxismo. O dispositivo móvel se ajusta perfeitamente sobre a superfície dos dentes e, conforme a descrição da dentista Kamila Godoy, essa é uma placa resistente, geralmente confeccionada com resina acrílica, que fica entreposta entre as arcadas dentárias com apoio em uma delas. "A placa de bruxismo traz a desoclusão dos dentes, permitindo que exista um relaxamento muscular progressivo e proteção dentária nos momentos em que a parafunção se estabelece", esclarece.

2.2 Toxina botulínica

Apesar de não se saber ao certo o que causa o bruxismo, na prática, acontece uma alteração causada no sistema nervoso central, responsável por gerar o apertamento ou ranger dos dentes. Por isso, a toxina botulínica surge como uma excelente opção de tratamento, já que ela atua diretamente sobre esta alteração. "A toxina botulínica age inibindo esta hiperatividade, reduzindo a contração muscular. Este bloqueio se dá através do mecanismo da não-liberação do neurotransmissor responsável pela propagação da contração muscular, chamado de acetilcolina", explica o especialista em dentística Vinícius Barçal.

Como benefícios desse tratamento, pode-se destacar o fato de ela agir independente do paciente. Isto é, como ela atua diretamente sobre os músculos envolvidos no bruxismo, o seu efeito age 24 horas por dia e impede a propagação de desgastes e fraturas nos dentes. "Estudos e evidências clínicas têm demonstrado significativas melhoras nos índices de dor muscular e na qualidade de sono dos pacientes tratados com a toxina botulínica", finaliza o profissional.

2.3 Tratamento multidisciplinar

Outra opção normalmente indicada pelo profissional é adotar o tratamento multidisciplinar, ou seja, envolvendo diversos especialistas, além do próprio cirurgião-dentista. Dessa forma, torna-se ainda mais fácil a redução do impacto da doença na vida do paciente. A dentista Daniele Haller destaca quais são os especialistas que podem ajudar nesse processo: “Dentista, pediatra, psiquiatra, otorrinolaringologista e psicólogo são alguns dos profissionais que podem auxiliar nesse processo”.
Inclusive, vale ressaltar a importância de um acompanhamento psicológico em casos onde componentes emocionais são a causa para o bruxismo, como o estresse ou ansiedade. Com a terapia, o paciente cria maior consciência do que está acontecendo em sua vida e passa a encontrar maneiras de lidar com isso. “A terapia vai focar nos possíveis motivos de ordem psicológica, como estresse, ansiedade e traumas que possam estar contribuindo para a permanência do bruxismo”, afirma o dentista Robson Caumo.

3. Algumas dúvidas que podem surgir

Quase tudo já foi esclarecido agora, né? Mas como é bem provável que ainda haja uma dúvida ou outra, separamos as mais comuns para que a satisfação seja maior ainda. No entanto, vale lembrar que o ideal é que o paciente sempre consulte um especialista para conversar e compreender totalmente do que se trata essa doença e como ela pode interferir na sua vida, ok?

3.1 Bruxismo pode causar sensibilidade?

É muito comum que pessoas com bruxismo desenvolvam sensibilidade dentária. Isso acontece porque, segundo o doutor em dentística-endodontia Cláudio Heliomar, com o apertamento ou ranger dos dentes, o esmalte sofre desgaste e fraturas que acabam expondo a dentina e desencadeando um quadro de sensibilidade. Dessa forma, o dente fica mais enfraquecido e algumas complicações bucais podem surgir, além do terrível incômodo que acontece ao ingerir determinados tipos de alimentos.

3.2 Bruxismo causa entortamento dos dentes?

Segundo o profissional Diego Limoeiro, essa atividade parafuncional pode ocasionar o estreitamento dos dentes, e até mesmo alterar a posição de alguns elementos: "Em alguns casos onde já há doença periodontal instalada, ocasionada ou não pelo bruxismo, podem haver mudanças de posicionamento dentário, embora não seja o mais comumente visto". Dessa forma, o especialista aconselha que o paciente procure auxílio profissional o quanto antes para a identificação do bruxismo e indicação do tratamento adequado, já que a melhor forma de cuidar de um possível entortamento é tendo o controle desse desvio.

3.3 Bruxismo pode deslocar a mandíbula?

A resposta é: sim. O bruxismo pode provocar um deslocamento da mandíbula e o mais comum é quando isso acontece com o disco articular, estrutura que fica interposta entre as articulações da cavidade oral. Isso faz com que o disco se desloque para frente e causa muito desconforto ao paciente, que não consegue movimentar a boca. “Essa situação pode dificultar a abertura da boca, gerando o que é chamado de trismo mandibular”, esclarece o dentista Diego Limoeiro.

3.4 Restaurações recuperam o desgaste dos dentes provocados pelo bruxismo?

É inevitável que com o bruxismo, a estrutura dentária seja prejudicada com desgastes. E, além da questão estética, quando isso acontece, problemas como cárie e sensibilidade dentária acabam sendo mais propícios de aparecer. Entretanto, a dentista Lilian Lessa garante que restaurações dentárias são uma boa opção para recuperar a estética dos dentes que sofreram desgaste devido ao bruxismo. De acordo com a profissional, pequenas corrosões podem ser restauradas de maneira mais simples através da resina composta. Já os defeitos mais severos, que comprometem grande parte da estrutura do esmalte dentário, devem ser restaurados com porcelana.