A fama desse procedimento é muito bem apresentada e sua procura não para de crescer nos consultórios estéticos odontológicos. A verdade é que o clareamento dental vem sendo cada vez mais adotado por quem deseja recuperar o branco do sorriso. Mas as dúvidas sempre surgem e é necessário esclarecer todas elas antes de iniciar o seu clareamento. Uma delas é: será que o branqueamento pode prejudicar ou, até mesmo, acabar com o esmalte dentário? Descubra agora nas palavras do dentista Rodrigo Araújo.

O clareamento acaba com o esmalte dentário?

Sendo bem indicada e feita por um profissional capacitado, a técnica de branqueamento se torna segura e não corre o risco de causar danos significativos na estrutura do esmalte. Mas, para preservar essa proteção do dente, o profissional deve tomar alguns cuidados."Em determinado momento, os químicos utilizados no clareamento atingem um ponto de saturação e deixam de agir, esse é o momento em que ocorre o máximo de clareamento".

A partir desta etapa, os pigmentos não são mais clareados e a ação prolongada do produto tem um resultado diferente. "O agente clareador começa a atuar em outros compostos que apresentam cadeias de carbono, como as proteínas da matriz do esmalte", explica Rodrigo. Nesse ponto, ocorre a perda de estrutura dental, por isso é importante saber a hora exata cessar o processo.

Qual tipo de técnica é mais abrasiva?

Os clareadores dentais como peroxido de hidrogênio, utilizado no consultório, ou peroxido de carbamida, feito a partir da técnica caseira, não causam desgaste de esmalte por abrasão, mas, se não tomar o devido cuidado, acaba resultando em outra complicação. "Podem causar desmineralização quando atacam as proteínas da matriz do esmalte", esclarece.

O clareamento no consultório leva cerca de uma hora e é dividido em algumas sessões. Já o procedimento feito em casa, dura 4 horas por dia, durante três a quatro semanas em média. "Essa diferença de tempo também influencia na penetração do agente clareador no dente. Quanto maior o tempo em menor concentração, o produto penetra mais, levando a um tempo de retoque longo". Por isso, atualmente, muitos dentistas associam as duas técnicas.

Isso pode agravar com o tempo

"O uso em demasia do clareamento dental, tanto na técnica caseira quanto na técnica de consultório, apresenta uma influência negativa na morfologia do esmalte", atenta o profissional. O efeito cumulativo de tratamentos clareadores ao longo dos anos, quando executados de forma irracional e com indicação incorreta, pode levar a alterações irreversíveis na estrutura dental.

Como evitar o desgaste do esmalte

Com atitudes simples e preventivas você consegue evitar esse problema. "O clareamento dental deve ser sempre supervisionado por um dentista para evitar qualquer problema tanto na estrutura dental, quanto no tecido gengival". Rodrigo afirma que o sucesso de todo branqueamento depende muito do estudo das alterações de cor e de um diagnóstico adequado. "Bom plano de tratamento, seleção adequada das técnicas utilizadas, potencial do agente clareador e fundamentalmente nas orientações dadas ao paciente e sua colaboração durante o processo clareador". Deste jeito, o tratamento se torna mais seguro e você garante um sorriso branco, poderoso e, acima de tudo, saudável.