Das muitas tecnologias que podem contribuir com a odontologia, os biomateriais estão aí para marcar um avanço no enxerto ósseo. Essa é uma técnica feita quando há a necessidade do paciente em recuperar alguma estrutura perdida, seja por fratura ou qualquer outro trauma. Porém, mais recentemente, profissionais também têm usado para alguns procedimentos para os dentes, usando principalmente biomateriais. Para entender como eles funcionam, entrevistamos o especialista Ricardo Teixeira.

O que é enxerto ósseo?

Enxerto ósseo é uma técnica usada por diversos profissionais para repor um osso do paciente. “Eles são utilizados com o objetivo de restabelecer a arquitetura óssea original com finalidade funcional e muitas vezes também estética”, define Ricardo. Esse procedimento pode ser feito com algum osso homólogo, ou seja, de alguma parte do corpo do próprio paciente ou autógeno, de alguma outra pessoa doadora. O enxerto ósseo pode ser utilizado em casos de fraturas, no tratamento das pseudoartroses e em outras situações dentro da odontologia, como no implante dentário ou a no tratamento da periodontite.

Como os biomateriais funcionam para os enxertos ósseos?

Também é possível realizar o procedimento da substituição por meio de biomateriais de alta tecnologia. Eles são capazes de agir, dentro do organismo, como um osso comum, podendo ser naturais ou sintéticos. “Eles têm como principal função a criação de um arcabouço que mimetiza a microestrutura óssea, possibilitando a sua vascularização e o povoamento celular”, explica o especialista. Segundo ele, ainda é possível, futuramente, fazer mais uma substituição por uma matriz óssea verdadeira.

O principal benefício do biomaterial é a diminuição dos riscos do procedimento cirúrgico. Nos casos em que o osso substituído foi doado, há o perigo de contaminação. “Já a ausência de um doador elimina a possibilidade de sequelas, risco de infecção e defeitos ósseos, aumentando o conforto do paciente no âmbito geral do pós-operatório”, comenta ele. Um outro grande benefício é que essa técnica pode ser utilizada sem dependência de disponibilidade ou qualquer outro fator, afinal, nem sempre é fácil retirar um osso do próprio corpo ou ter de esperar que seja fornecido pelo banco de doadores.

Como que o biomaterial pode ajudar na odontologia?

Você deve estar pensando: “Ok, mas como o biomaterial age na odontologia?”. Vamos deixar o profissional responder! “Suas indicações podem ir desde um preenchimento de alvéolo de extração associado a filtrados sanguíneos e tratamento de defeitos periodontais, passando por reconstruções em casos de malformações palatinas”, aponta ele. Mas o mais comum é para auxiliar implantes dentários. Nesses casos, o enxerto é recomendado quando o paciente apresenta o osso da mandíbula muito frágil para sustentar o implante. Sempre é válido consultar seu dentista para verificar a possibilidade de usar essa e outras tecnologias durante o seu tratamento.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Ricardo Gouvêa Teixeira - Especialista em cirurgia oral menor e implantodontia
Rio de Janeiro, RJ
CRO-RJ: 29409