Você provavelmente já ouviu falar da bichectomia, certo? A cirurgia para afinar o rosto têm ficado cada vez mais popular nos consultórios - especialmente entre aqueles que gostariam de realçar o sorriso com a redução das bochechas. Está em dúvidas sobre fazer ou não a bichectomia? Conversamos com a cirurgiã-dentista Juliana Alves para tirar todas as dúvidas sobre o procedimento e descobrir suas vantagens e desvantagens. Confira!

O que é bichectomia? O que muda ao remover as bolas de Bichat?

A bichectomia consiste na remoção das bolas de Bichat - estruturas de tecido gorduroso que ficam abaixo das maçãs do rosto.

“Quando se é bebê, a função das bolas de Bichat é acolchoar os músculos da face durante a sucção do leite, de forma que esses músculos não colidam uns com os outros. Conforme crescemos, perdemos a função da bola de Bichat”, explica a Dra. Juliana. “Além da sua indicação estética, hoje indicamos a bichectomia por motivos funcionais também para pacientes que mordem de forma excessiva as bochechas nas atividades diárias, como durante a alimentação, por exemplo.

1. Cirurgia não é indicada para quem tem as maçãs do rosto marcadas

Quem já tem as maçãs do rosto bem altas e evidenciadas, geralmente, não é indicado para a cirurgia de bichectomia. “É necessário ser feito uma avaliação com o cirurgião-dentista ou médico capacitado para um melhor diagnóstico, mas em geral esses pacientes não são candidatos para escolha da bichectomia, visto que irá evidenciar ainda mais essa região”, explica Juliana.

2. A bichectomia pode deixar o rosto mais fino e simétrico

Se seu objetivo com a bichectomia é estético, Juliana conta que a cirurgia pode sim ser uma solução. A remoção das bolas de Bichat dá um aspecto mais fino e alongado ao rosto, além de poder deixá-lo mais simétrico. “Como fazemos uma remoção parcial, profissionais mais experientes podem conseguir mensurar uma maior remoção de um lado do que do outro para igualar alguma assimetria anterior”, diz a profissional.

3. Cirurgia traz o risco de paralisia facial

Assim como na maior parte das cirurgias, a bichectomia traz riscos de inchaços e dores na região de onde foram retiradas as bolas de Bichat. A boa notícia é que esses efeitos podem ser facilmente controlados com medicamentos. Entretanto, há um risco ainda mais grave, como explica a Dra. Juliana: “Temos as lesões do nervo facial, gerando paralisia, hemorragias, lesão do ducto parotídeo, assimetria facial e infecções”. Por esses motivos, antes de tomar uma decisão precipitada sobre o procedimento, converse com um dentista de sua confiança!

4. Depois da bichectomia, a pele do paciente pode ficar mais flácida quando mais velho

Uma das principais preocupações com relação à bichectomia não tem a ver com o pós-operatório em si, mas com o aspecto da nova fisionomia com o passar dos anos. Afinal, o procedimento pode deixar a pele mais flácida? “Todos nós iremos envelhecer e consequentemente teremos uma pele mais flácida”, responde Juliana. “Porém a bichectomia só terá fator negativo com a idade se tiver sido mal indicada para o paciente”.
Este artigo tem a contribuição do especialista:

Juliana Alves - Cirurgiã-dentista há 5 anos atuando na área da harmonização orofacial; pós-graduando em ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares.
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 42927