Bactérias e inflamações bucais podem sim aumentar o risco de alguns problemas de saúde. Mas afinal, quais são essas inflamações? Qualquer problema bucal pode provocar o aparecimento dessas bactérias. É o caso da gengivite, cárie, contaminações dos canais radiculares, e até mesmo as feridas das aftas podem ser consideradas inflamações. Por isso, se você estiver com qualquer uma dessas complicações, o ideal é procurar um dentista o quanto antes! Pedimos para a cirurgiã-dentista Gabriella Fávaro explicar mais sobre essa influência, comentando como a endocardite bacteriana também age nesse processo.

Bactérias bucais são naturais, porém devem ser eliminadas

Naturalmente, existem bactérias presentes na boca. São pequenos agentes que costumam revestir os dentes, formando a placa bacteriana. Mas é importantíssimo que todos os pacientes eliminem essa camada diariamente por meio da escovação. Quando não há esse hábito, elas podem se acumular na região bucal e começar a formar diferentes problemas bucais e inflamações, como a gengivite e a cárie. Por isso, todos devem escovar os dentes sempre após as refeições, passar o fio dental e, se necessário, usar o enxaguante bucal.

Bactérias e inflamações bucais podem alterar o sistema cardiológico

Segundo a especialista, inflamações bucais, de uma maneira geral, podem ser de diferentes naturezas, mas aquelas causadas por bactérias são as mais perigosas. “Essas estimulam no organismo a liberação de substâncias químicas que possuem atividade influente na estrutura vascular, chamadas de drogas vasoativas”, comenta ela. Em outras palavras, as bactérias podem provocar essas atividade nos vasos sanguíneos, afetando a saúde do paciente e mexendo principalmente com o seu sistema cardiológico, o do coração.

Infarto e AVC podem ser causados pela endocardite bacteriana

A proliferação das bactérias na região bucal pode sim aumentar o risco de infarto e de AVC, por conta da endocardite bacteriana. “Isso ocorre quando a bactéria, presente na inflamação, entra na corrente sanguínea e se desloca até o coração afetando suas estruturas internas, como válvulas e tecidos”, explica a profissional. Assim que a corrente sanguínea e a estruturas do coração são alteradas, o risco desses perigosos problemas aumenta. A cirurgiã-dentista ainda alerta que há pacientes com um maior risco de desenvolver esse caso. “Pessoas cardiopatas, os portadores de próteses valvares, condutos sistêmico-pulmonares e que tenham tido endocardite”, lista.

Como eliminar as bactérias bucais?

O tratamento deve ser feito com uma diminuição da quantidade de bactérias na região bucal. Para isso, o mais indicado é frequentemente ir ao dentista. “Utilizamos de medidas preventivas de higiene oral, fazemos o diagnóstico precoce de possíveis inflamações e a instituição de profilaxia antibiótica antes dos procedimentos”, comenta ela. Por lá, o especialista pode instruir o paciente a como fazer a higiene bucal corretamente, evitando que esses problemas bucais aparecem. “Destacamos as melhores formas de diminuir a quantidade de bactérias em estrutura dental, mucosas e língua. Além de remover qualquer foco de infecção, sendo eles a placa bacteriana, tártaro, cáries, dentes fraturados, lesões periodontais e endodônticas”, finaliza a cirurgiã-dentista.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Gabriella Fávaro Sbrogio - Cirurgiã Dentista e ortodontista
São José do Rio Preto - SP
CRO: 124-948