Muitos pacientes passam pela fase de usar o aparelho ortodôntico. E não são somente os adolescentes, já que qualquer faixa etária pode necessitar dessa correção. O uso está ligado diretamente ao fato de que o procedimento ajuda no tratamento de diversos problemas bucais, indo desde oclusão até o alinhamento dos dentes. No entanto, algumas dúvidas ainda rodeiam o uso e tratamento ortodôntico, e se podem vir a ocasionar algum problema. É verdade que o aparelho encurta a raiz do dente? Entenda mais sobre esse assunto com as explicações do ortodontista Robson Caumo.

O aparelho odontológico provoca mudanças na boca?

Começar o tratamento ortodôntico acaba trazendo algumas modificações para a sua rotina. E, inclusive, para a sua boca. “São inúmeras as mudanças, que não se restringem aos dentes, mas à toda cavidade oral”, comenta o profissional. Com a ajuda do aparelho ortodôntico, o paciente pode ter diversos fatores relacionado à sua saúde bucal melhorados. Há casos em que a respiração, deglutição e até mastigação são ajustadas e corrigidas. Além disso, pode ser feito a modificação da posição da mandíbula, se necessário.

É verdade que o aparelho odontológico encurta a raiz do dente?

Primeiramente, vale explicar o que é o encurtamento da raiz do dente. Esse processo é identificado como uma diminuição da raiz, ou seja, uma reabsorção radicular. O dentista esclarece que isto acontece pela aplicação de uma força excessiva no tratamento ortodôntico, que gera um estímulo inflamatório. E então, respondendo a dúvida recorrente, é verdade que a raiz do dente pode ser sim encurtada. “Isso acontece quando as forças empregadas para a movimentação excedem o limite fisiológico que as estruturas suportam, levando à reabsorção radicular”, esclarece Robson.

O encurtamento da raiz do dente é um problema para a saúde bucal?

Para ser diagnosticado como um problema para sua saúde bucal, isto vai depender de como está o nível do encurtamento da raiz do dente. Nos casos em que a reabsorção é mínima, não há prejuízos significativos. Entretanto, é preciso prestar ter atenção. “Quando a reabsorção excede por volta de 2 mm, já temos comprometimento da saúde dentária”, alerta o ortodontista. E ainda, no momento em que o dente passa por esse processo de reabsorção, não há como contornar a situação.

O profissional termina dizendo que os quadros que ultrapassam o limite aceitável o tratamento de canal pode ser necessário. Somente seu dentista pode detectar isso, portanto, é importante manter visitas regulares para saber como sua cavidade oral tem reagido ao tratamento, para intervir se for preciso.

Quer saber mais como funciona o tratamento ortodôntico? Confira assistindo ao vídeo do Manual do Mundo:

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Robson Caumo - Ortodontista e Especialista em DTM
Niterói - RJ
CRO-RJ: 30043